Brasileiro ″Todos os mortos″ disputará Urso de Ouro na Berlinale | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 29.01.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Cinema

Brasileiro "Todos os mortos" disputará Urso de Ouro na Berlinale

Filme de Caetano Gotardo e Marco Dutra ambientado no Brasil pós-escravidão, no final do século 19, é selecionado para mostra principal do Festival de Berlim. País também está representado em mostras paralelas.

Cena de Todos os mortos

Cena de "Todos os mortos"

O longa Todos os mortos, dos brasileiros Caetano Gotardo e Marco Dutra, concorrerá na mostra principal do Festival Internacional de Cinema de Berlim, a Berlinale, deste ano, anunciou nesta quarta-feira (29/01) a organização do evento. 

O filme, que é uma coprodução entre Brasil e França e se passa no final do século 19 e início do século 20, retrata um país em transição, após o fim da escravidão e no início da República. O longa traz uma narrativa sobre o declínio de uma família de São Paulo do ponto de vista de três mulheres: a mãe, Isabel, e suas filhas, Maria e Ana.

A história começa com a morte da serviçal Josefina, que havia sido escrava na fazenda de café da família. A trama se desenrola ao redor de três importantes feriados nacionais: Dia da Independência, Finados e Carnaval, e aborda o processo de modernização da cidade de São Paulo.

O filme concorrerá com produções como The Roads Not Taken, da britânica Sally Porter; Le sel des larmes, do francês Philippe Garrel; Never Rarely Sometimes Always, da americana Eliza Hittman; El prófugo, da argentina Natalia Meta; e Domangchin yeoja (The Woman Who Ran), do sul-coreano Hong Sangsoo.

Anteriormente, Caetano Gotardo dirigiu o filme O que se move, enquanto Marco Dutra foi o diretor de Trabalhar cansa, Quando eu era vivo e O silêncio do céu. Dutra também codirigiu o premiado As boas maneiras em parceria com Juliana Rojas, que é a montadora de Todos os mortos.

"Escolhemos o biênio 1899-1900 porque naquele momento de formação, transformação da sociedade brasileira, encontramos estruturas que permanecem até hoje. Falar sobre a herança da escravidão permite abordar temas como a desigualdade social, o trabalho, a presença do negro na cultura e na sociedade", disse Dutra ao jornal O Estado de S. Paulo.

Na mostra Panorama da Berlinale, a segunda mais importante do festival, o cinema brasileiro estará representado pelos filmes Cidade pássaro, de Matias Mariani; Nardjes A., de Karim Aïnouz; O reflexo do lago, de Fernando Segtowick; e Vento Seco, de Daniel Nolasco. Também participa da mostra a coprodução entre Brasil, Argentina e Suíça Un Crimen Común, dirigida pelo argentino Francisco Márquez.

Na mostra Generation, voltada para o público mais jovem, o Brasil estará presente com Meu nome é Bagdá, de Caru Alves de Souza; , de Ana Flavia Cavalcanti e Julia Zakia; Alice Júnior, de Gil Baroni; e Irmã, de Luciana Mazeto e Vínicius Lopes. 

A mostra Forum Expanded, dedicada a filmes experimentais, terá o documentário Apiyemiyekî, coprodução entre Brasil, França, Holanda e Portugal dirigida pela brasileira Ana Vaz; Jogos Dirigidos, de Jonathas de Andrade; (Outros) Fundamentos, de Aline Motta; Vaga Carne, de Grace Passô e Ricardo Alves Jr.; e Carta de uma Mulher Guarani em Busca de uma Terra Sem Mal, da cineasta indígena Patrícia Ferreira Pará Yxapy.

Na mostra Forum, o Brasil está representado com Luz nos trópicos, de Paula Gaitán; e Vil, má, de Gustavo Vinagre. 

A 70ª edição da Berlinale será realizada entre os dias 20 de fevereiro e 1º de março.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais