Brasil sai da recessão técnica, mas continua com economia estagnada | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 28.11.2014
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Brasil sai da recessão técnica, mas continua com economia estagnada

País cresceu 0,1% no terceiro trimestre de 2014 em comparação a abril, maio e junho, de acordo com o IBGE. Indústria e serviços cresceram, mas agropecuária e consumo das famílias recuaram.

A economia brasileira cresceu 0,1% no terceiro trimestre deste ano em comparação aos três meses anteriores, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados nesta sexta-feira (28/11). O pequeno crescimento retira o país da recessão técnica após dois trimestres seguidos de números negativos, mas não da estagnação.

A variação de 0,1% Produto Interno Bruto (PIB) veio após uma retração de 0,6% no segundo trimestre em relação ao primeiro. Nos três primeiros meses do ano, o PIB havia diminuído 0,2% frente ao período anterior.

No terceiro trimestre de 2014, a indústria e os serviços cresceram 1,7% e 0,5%, respectivamente. Já a agropecuária teve queda de 1,9%, limitando a expansão do PIB.

Na comparação com o terceiro trimestre de 2013, a economia retraiu 0,2%. Mas no resultado acumulado de 2014 até setembro, o PIB apresentou variação positiva de 0,2% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Já o consumo das famílias – um dos componentes de maior peso do PIB – variou negativamente (0,3%) no terceiro trimestre em comparação ao segundo. Tanto a formação bruta de capital fixo (investimentos) quanto o consumo do governo tiveram expansão de 1,3%.

Tanto as exportações quanto as importações de bens e serviços cresceram –1% e 2,4%, respectivamente. O PIB deste terceiro trimestre somou 1,3 trilhão de reais.

Analistas já esperavam um desempenho ruim da economia para este último período. Para o ano de 2014, há a expectativa de que o PIB avance menos de 0,5%. Algumas instituições financeiras avaliam, porém, que a economia brasileira deverá registrar uma taxa nula ou até mesmo negativa.

Para 2015, há a expectativa de que a economia do país aumente 0,8%, segundo o último Boletim Focus divulgado pelo Banco Central nesta segunda-feira.

Leia mais