Brasil registra 566 mortes por covid-19 em 24 horas | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 11.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Brasil registra 566 mortes por covid-19 em 24 horas

País soma 163.368 mortes e mais de 5,7 milhões de casos, após registro de 48.655 novas infecções. Estado do Amazonas não atualizou números da doença.

Instituições de saúde alertam que números da covid-19 no Brasil devem ser maiores em razão da subnotificação

Instituições de saúde alertam que números da covid-19 no Brasil devem ser maiores em razão da subnotificação

O Brasil registrou oficialmente 566 mortes ligadas à covid-19 e 48.655 casos da doença nas últimas 24 horas, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (11/11) pelo Conselho Nacional de Secretários da Saúde (Conass).

O Conass, porém, não contabilizou os números do dia anterior no estado do Amazonas, em razão de problemas técnicos no acesso às bases de dados dos sistemas de informação.

Com o novo número, o total de infectados no país vai a 5.747.660, enquanto o total de óbitos chega a 163.368. Diversas autoridades e instituições de saúde alertam, contudo, que os números reais devem ser ainda maiores, em razão da falta de testagem em larga escala e da subnotificação.

São Paulo continua sendo o estado brasileiro mais atingido pela epidemia, com 1.150.872 casos e 39.907 mortes. O total de infectados no território paulista supera os registrados na maioria dos países do mundo, exceto Estados Unidos, Índia, Rússia, França, Espanha, Argentina, Reino Unido e Colômbia.

Minas Gerais é o segundo estado brasileiro com maior número de casos, somando 374.651, seguido de Bahia (367.669), Rio de Janeiro (320.598), Santa Catarina (283.252) e Ceará (279.989).

Já em número de mortos, o Rio é o segundo estado com mais vítimas, somando 20.970 óbitos. Em seguida vêm Ceará (9.418), Minas Gerais (9.204), Pernambuco (8.773) e Bahia (7.859).

A taxa de mortalidade por grupo de 100 mil habitantes subiu para 77,7 no Brasil, uma das mais altas do mundo – só fica abaixo dos índices registrados no Bélgica (118,73), Peru (109,23) e Espanha (84,21) e Chile (78,01), não levando em conta os países nanicos San Marino e Andorra.

A cifra brasileira também supera a dos EUA (73,26), nação mais atingida pela pandemia no planeta, e a do Reino Unido (74,99), país europeu com mais mortes.

Em números absolutos, o Brasil é o terceiro país do mundo com mais infecções, atrás apenas dos Estados Unidos, que somam mais de 10,2 milhões de casos, e da Índia, com 8,6 milhões. Mas é o segundo em número de mortos, depois dos EUA, onde morreram mais de 240 mil pessoas.

A Índia, que chegou a impor uma das maiores quarentenas do mundo no início da pandemia e depois flexibilizou as restrições, é a terceira nação com mais mortos, somando 127 mil.

Ao todo, quase 52 milhões de pessoas já contraíram o coronavírus no mundo, e 1,28 milhão de pacientes morreram em decorrência da doença.

RC/ots

Leia mais