Anvisa autoriza retomada de testes da Coronavac | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 11.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Anvisa autoriza retomada de testes da Coronavac

Agência havia determinado suspensão da testagem há dois dias, após morte não relacionada à vacina contra a covid-19. Medida levantou suspeita de interferência política após Bolsonaro comemorar paralisação do estudo.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou nesta quarta-feira (11/11) que os testes da Coronavac, a vacina contra a covid-19 desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, poderão ser retomados no Brasil.

"A Anvisa informa que acaba de autorizar a retomada do estudo clínico relacionado à vacina Coronavac, que tem como patrocinador o Instituto Butantan", disse a agência, em nota. "A Anvisa entende que tem subsídios suficientes para permitir a retomada da vacinação e segue acompanhando a investigação do desfecho do caso para que seja definida a possível relação de causalidade entre o EAG [evento adverso grave] inesperado e a vacina".

Os testes haviam sido suspensos na segunda-feira após a agência informar que recebeu a notificação de um evento adverso grave em um participante do estudo. Tratava-se da morte de um voluntário da vacina. De acordo com o Instituto Butantan, a morte não teve relação com o teste. Posteriormente, investigadores revelaram para veículos de imprensa que a suspeita é de que a morte tenha sido causada por suícidio ou overdose.

Apesar de a Anvisa ter informado que a suspensão dos testes se deu por critérios técnicos, o caso logo se tornou uma batalha política por causa de uma manifestação do presidente Jair Bolsonaro que levantou suspeitas de interferência do governo no órgão.

Oficialmente, a Anvisa apontou inicialmente que desconhecia a causa da morte do voluntário e, por isso, segundo a própria agência, suspendeu o estudo para garantir a segurança dos outros voluntários. A Anvisa ainda apontou que o boletim de ocorrência relacionado à causa da morte foi enviado pelo Instituto Butantan às 23h43 de terça-feira.

Após o anúncio da suspensão pela Anvisa na segunda-feira, Bolsonaro comemorou publicamente a decisão no dia seguinte. A reação de Bolsonaro ocorreu no Facebook, em resposta a seguidores que fizeram perguntas sobre o imunizante.

"Morte, invalidez, anomalia. Esta é a vacina que o Doria queria obrigar todos os paulistanos a tomá-la. O presidente disse que a vacina jamais poderia ser obrigatória. Mais uma que Jair Bolsonaro ganha", escreveu, referindo-se a seu desafeto João Doria, governador de São Paulo.

Há meses Bolsonaro vem fazendo uma campanha aberta contra a "vacina chinesa de Doria", como seus apoiadores chamam o imunizante da Sinovac. Em outubro, Bolsonaro chegou a desautorizar publicamente o seu ministro da Saúde após a pasta anunciar um acordo com o estado de São Paulo que previa a compra de 46 milhões de doses da Coronavac.

A Coronavac está sendo testada em dez países. No Brasil, os estudos começaram em 21 de julho, a partir de uma parceria da Sinovac com o Instituto Butantan, firmada diretamente com o governo de São Paulo e que prevê a produção da vacina no Brasil.

O diretor do Butantan, Dimas Covas, considerou a suspensão dos testes desnecessária e afirmou que ela estava causando dor e insegurança nos voluntários que participam do estudo. "Fomentaram um ambiente que não é muito propício pelo fato de essa vacina ser feita em associação com a China. Fomentaram esse descrédito gratuito. A troco de quê?", disse.

O diretor contou ainda que o instituto foi pego de surpresa com a decisão, mas evitou criticar a agência, a qual descreveu como "técnica e independente", ou considerar que a decisão tenha sido ideológica. Covas ressaltou que atribui a suspensão a "uma dificuldade de comunicação ou preocupação exagerada".

JPS/ots

Leia mais