1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Ecuador Quito Protest gegen Sparmaßnahmen der Regierung
Protestos em Quito. Até agora, 570 manifestantes foram presos pelas forças de segurançaFoto: Getty Images/AFP/C. Vega

Brasil e mais seis países culpam Maduro por crise no Equador

8 de outubro de 2019

Nota divulgada pelo Itamaraty acusa regime de Maduro de "estender as diretrizes de seu governo nefasto aos países democráticos da região". O Equador vem sendo sacudido por protestos nos últimos seis dias.

https://www.dw.com/pt-br/brasil-e-mais-seis-pa%C3%ADses-culpam-venezuela-por-crise-no-equador/a-50743762

Sete países latino-americanos, entre eles o Brasil, responsabilizaram nesta terça-feira (08/10) o regime do venezuelano Nicolás Maduro pela crise no Equador, que nos últimos seis dias vem passando por uma onda de protestos violentos desde que o governo local anunciou um aumento no preço dos combustíveis. 

Em um comunicado divulgado pelo Itamaraty, os governo de Peru, Argentina, Brasil, Colômbia, El Salvador, Guatemala e Paraguai afirmaram que Maduro estaria buscando "estender as diretrizes de seu governo nefasto aos países democráticos da região".

Os sete governos ainda expressaram repúdio a "qualquer tentativa de desestabilizar os regimes democráticos legitimamente constituídos" e manifestaram apoio ao presidente equatoriano Lenin Moreno "para recuperar a paz, a institucionalidade e a ordem, utilizando os instrumentos concedidos pela constituição e pela lei, assim como ele vem fazendo".

Nesta terça-feira, os protestos persistiam no Equador. Centenas de integrantes de grupos indígenas do país invadiram parte da sede da Assembleia Nacional, em Quito, para pedir a saída de Lenín Moreno do poder.

O parlamento fica perto de uma praça usada como ponto de concentração por 10 mil integrantes de grupos indígenas do país. Nesta quarta, eles organizarão um grande protesto para exigir a revogação de um pacote econômico anunciado pelo governo na última quinta-feira.

Moreno decretou estado de exceção no país na última quinta-feira para tentar conter os protestos. Na segunda-feira, acuado na capital, o presidente transferiu o governo de Quito para a cidade de Guayaquil, no sudoeste do país.

As manifestações começaram na última quinta-feira, quando Moreno anunciou um polêmico pacote econômico, parte de um acordo firmado pelo governo com o Fundo Monetário Internacional (FMI). Entre as medidas está o fim do subsídio estatal sobre os combustíveis, decisão que revoltou parte da população e motivou os protestos.

Já foram presos 570 manifestantes pelas forças de segurança do governo.

JPS/efe/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter