1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Foto: Wim Wenders/NFP*

Brasil concorre ao Oscar com "O sal da Terra"

Marco Sanchez
20 de fevereiro de 2015

Filme sobre Sebastião Salgado, dirigido por seu filho e pelo alemão Wim Wenders, é um dos cinco finalistas na categoria melhor documentário. "Citzenfour", que conta a trajetória de Snowden, é principal concorrente.

https://p.dw.com/p/1Ef5S

Quem vai levar o Oscar? Birdman ou Boyhood? Para os brasileiros, a grande disputa pela estatueta no próximo domingo (22/03) gera mais uma importante pergunta: Sebastião Salgado ou Edward Snowden?

Dirigido pelo alemão Wim Wenders e por Juliano Ribeiro Salgado, O sal da Terra, filme que conta a trajetória do fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado, é o único título brasileiro que concorre ao Oscar em 2015.

"O filme teve uma carreira muito bonita. Essa é a primeira vez que isso acontece comigo. Eu me sinto muito orgulhoso. Esse é um filme muito especial porque fala da minha família e tem uma mensagem forte para passar, falando do mundo de uma maneira muito realista", diz Juliano Salgado à DW Brasil.

A categoria de melhor documentário é sempre uma grande incógnita na premiação, já que seus concorrentes tem um menor apelo comercial – o que também reserva espaço para surpresas.

EINSCHRÄNKUNG Wim Wenders und der brasilianische Fotograf Sebastiao Salgado
Juliano e Sebastião Salgado ao lado do alemão Wim WendersFoto: Thierry Pouffary/Decia Films

A coprodução franco-brasileira disputa a estatueta com A fotografia oculta de Vivian Maier, de John Maloof e Charlie Siskel, Last days in Vietnam, de Rory Kennedy, Virunga, de Orlando Von Einsiedel, e Citzenfour, de Laura Poitras.

Sucesso internacional

O filme começou a tomar forma com a ideia comum de Juliano e Wenders de criar um filme que não fosse sobre as fotografias, mas sobre "a testemunha". "Uma pessoa que teve uma experiência única e aprendeu muito sobre o mundo e as pessoas", explica.

A opulência visual do trabalho de Sebastião Salgado está presente em relatos em francês filmados por Wim Wenders e se completam de maneira tocante com as imagens feitas em momentos de intimidade por Juliano. Elas buscam o homem e o pai além do mito de um dos mais bem sucedidos fotógrafos do planeta.

"Estamos em um momento muito pessimista na nossa história e não sabemos o que é uma utopia. Através do exemplo do Sebastião e da Lélia, meus pais, podemos aprender que é possível mudar as coisas em um nível local. Acho que essa consciência das pessoas pode ser o início de alguma coisa", diz Juliano.

Sebastião Salgado und seine Frau, Lélia Wanick Salgado
Segundo o diretor, o trabalho de seus pais, Sebastião e Lélia, mostra que mudanças locais são possíveisFoto: Ricardo Beliel

O sal da Terra teve sua estreia em Cannes em maio de 2014, onde ganhou o prêmio especial do júri da prestigiosa mostra Un Certain Regard. Desde então o filme participou de diversos festivais e foi indicado a importantes prêmios, como o francês César, o espanhol Goya e o da Associação Internacional de Documentário.

"O filme passa uma energia muito forte. Ele é um motivador importante. Acho que é isso que está sendo premiado: essa energia. O Oscar é um grande holofote, e isso é ótimo porque muito mais gente vai ter contato com o filme", afirma o diretor.

Forte concorrente

No entanto, os sonhos do Brasil de conquistar a cobiçada estatueta podem parar em Edward Snowden. O filme de Laura Poitras sobre o delator do esquema de espionagem da NSA faz parte de uma polêmica trilogia sobre a América após o 11 de Setembro.

A diretora radicada em Berlim filmou a história de Snowden de uma maneira intensa e urgente, indo fundo na intimidade do americano no momento em que ele mudou completamente sua vida e abriu novos parâmetros na discussão sobre privacidade e controle de informação.

Edward Snowden
Filme sobre Edward Snowden é o favorito ao prêmioFoto: picture-alliance/dpa

"Citzenfour é um filme importante que me tocou muito. É um tema que tem que ser divulgado", revela Juliano.

Agora resta esperar se a conservadora Academia vai cair nas graças do subversivo e brilhante Citzenfour ou se render às múltiplas facetas de um brasileiro, cujo inspirador trabalho foi reconhecido em todo o mundo.

Pular a seção Mais sobre este assunto
Pular a seção Conteúdo relacionado