Brasil busca diálogo, mas não descarta retaliar EUA | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 09.03.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Brasil busca diálogo, mas não descarta retaliar EUA

Governo vai insistir na tese de que indústrias brasileiras e americana são complementares para convencer Trump a rever taxação ao aço. Ao mesmo tempo, estuda aplicação de medidas retaliativas ou recorrer à OMC.

O governo brasileiro afirmou nesta quinta-feira (08/03), após a confirmação das sobretaxas de importação do aço (25%) e do alumínio (10%) pelos Estados Unidos, que manterá a preferência pelo diálogo, mas não descartou ações para preservar os direitos e interesses nacionais.

Essas ações podem ser tanto em âmbito bilateral – por exemplo, a retaliação por meio da imposição de tarifas a produtos americanos – como multilateral, o que incluiria levar a questão à Organização Mundial do Comércio (OMC).

"As medidas restritivas às importações de aço e alumínio são incompatíveis com as obrigações dos EUA ao amparo da Organização Mundial do Comércio e não se justificam, tampouco, pelas exceções de segurança do GATT 1994", afirmaram os ministros das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, e da Indústria e Comércio, Marcos Jorge.

Cadeias produtivas complementares

Segundo os ministros, o governo brasileiro "buscou, em sucessivas gestões, evitar a aplicação das medidas às exportações brasileiras, esclarecendo ao governo americano que os produtos do Brasil não causam ameaça aos interesses comerciais ou de segurança dos EUA".

O Instituto Aço Brasil , que representa a indústrias siderúrgicas que atuam no país, afirmou que avalia, em conjunto com o governo, a entrada imediata de recurso contra o governo dos EUA para tentar reverter a medida.

O principal argumento brasileiro é que 80% da exportação de aço do Brasil para os EUA é do produto semiacabado, que é reprocessado pelas indústrias americanas para se tornar matéria-prima para os setores automobilístico, militar e de petróleo.

"O aço brasileiro não destrói emprego nos EUA e ainda complementa a cadeia produtiva deles", afirmou o presidente do conselho diretor do Instituto Aço Brasil, Alexandre Lyra.

Segundo ele, a decisão é "um tiro no pé" para os americanos, pois prejudica a própria indústria, incluindo também a de carvão mineral. Uma redução das exportações brasileiras de aço causaria um efeito colateral para a indústria de carvão mineral dos EUA, pois o Brasil importa mais de 1 bilhão de dólaes por ano de carvão americano, que serve de base justamente para a fabricação do aço.

Queda de 30% nas exportações

Com a decisão dos Estados Unidos de sobretaxar as exportações de aço e alumínio em 25% e 10%, respectivamente, a indústria brasileira teme perder espaço não só no país norte-americano, mas também no próprio mercado interno.

O presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, declarou à DW que o país deverá ter uma queda de 30% nas exportações do produto para os EUA e, ao mesmo tempo, terá que concorrer com China e Rússia na busca por novos mercados.

Ao todo, 32% do aço exportado pela indústria brasileira têm como destino os Estados Unidos. Com isso, o país figura como o segundo maior exportador para o mercado americano, com 4,7 milhões de toneladas embarcadas em 2017. Só perde para o Canadá, que exportou 5,8 milhões de toneladas ano passado.

Entre as principais empresas brasileiras do setor do aço estão a mineradora Vale, maior produtora e exportadora mundial de ferro, o grupo Gerdau, maior produtor de aço da América Latina, que tem fábricas em 14 países, a Usiminas e a Companhia Siderúrgica Nacional.

AS/abr/lusa/dw

Leia mais