1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Antony Blinken na embaixada dos Estados Unidos em Kiev
"Em última instância, a decisão cabe ao presidente Putin", declarou Blinken na embaixada dos Estados Unidos em KievFoto: Alex Brandon/AFP/Getty Images

Blinken exorta Putin a optar por via pacífica

19 de janeiro de 2022

Durante uma visita de solidariedade à Ucrânia, secretário de Estado dos EUA diz esperar que presidente Vladimir Putin opte pela diplomacia na crise com o país vizinho.

https://www.dw.com/pt-br/blinken-exorta-putin-a-optar-por-via-pac%C3%ADfica-na-crise-ucraniana/a-60482025

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, conclamou nesta quarta-feira (19/01) a Rússia a optar pela via pacífica na atual crise ucraniana, durante uma visita a Kiev para reforçar o apoio americano à Ucrânia.

"Firmemente espero que possamos nos manter numa via pacífica e diplomática, mas, em última instância, a decisão cabe ao presidente Putin", declarou Blinken na embaixada dos Estados Unidos em Kiev.

Da Ucrânia, Blinken segue para Berlim, onde vai se reunir com representantes de Reino Unido, França e Alemanha para debater a situação ucraniana. Na quinta-feira, tem um encontro marcado com o ministro do Exterior da Rússia, Serguei Lavrov, em Genebra.

Em Berlim, os aliados discutirão "esforços conjuntos para impedir novas agressões russas à Ucrânia, incluindo a prontidão dos aliados e parceiros para impor consequências massivas e custos econômicos significativos à Rússia", segundo o Departamento de Estado.

Apoio da Otan

Paralelamente, nesta terça-feira, a Otan decidiu reforçar as patrulhas aéreas sobre os países bálticos (Estônia, Letônia e Lituânia, ex-repúblicas soviéticas e atuais membros da organização militar) com mais quatro caças dinamarqueses, num contexto de escalada de tensões com a Rússia devido ao reforço militar deste país junto às fronteiras da Ucrânia.

Na véspera da visita a Kiev, Blinken já havia defendido a via diplomática para encerrar a crise entre a Rússia e a Ucrânia, durante um telefonema com Lavrov.

Os Estados Unidos também anunciaram uma ajuda suplementar de 200 milhões de dólares à Ucrânia, nas áreas de defesa e segurança, no âmbito da ameaça de uma potencial ofensiva russa. 

A Ucrânia e os seus aliados ocidentais acusam a Rússia de uma grande concentração de tropas junto à fronteira comum com a perspectiva de uma eventual invasão. A Rússia tem desmentido qualquer intenção bélica, mas formulou diversas exigências, que se destinam a "garantir a sua própria segurança".

as/lf (Lusa, AFP)