Berlim prevê que Trump causaria sérios danos à economia, diz revista | Cobertura especial sobre as eleições nos Estados Unidos | DW | 01.10.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Eleições nos EUA

Berlim prevê que Trump causaria sérios danos à economia, diz revista

Documento interno do Ministério da Economia estima retração econômica, menos vagas de trabalho e desemprego mais alto se candidato republicano implementar suas promessas de campanha, diz semanário alemão "Spiegel".

O Ministério da Economia da Alemanha acredita que uma possível chegada de Donald Trump à Casa Branca causaria sérios danos à economia dos Estados Unidos, de acordo com um documento interno citado em reportagem da revista alemã Der Spiegel deste sábado (01/10).

O órgão estima "retração do Produto Interno Bruto (PIB), menos vagas no mercado de trabalho e desemprego mais alto" nos EUA se o candidato republicano à presidência implementar suas promessas de campanha, afirmou a revista, citando o documento.

Trump, um magnata bilionário em busca de seu primeiro cargo público, propôs cortes de impostos e disse que pretende reduzir regulamentações do governo, além de adotar uma postura mais dura na negociação de acordos comerciais.

De acordo com o candidato, seu plano produziria um crescimento econômico anual de 3,5% e criaria 25 milhões de empregos ao longo de uma década. Mas alguns economistas questionaram os pressupostos adotados pelo plano.

As promessas de Trump "não são viáveis", diz o memorando do governo alemão, segundo a reportagem da Der Spiegel. Além disso, os planos violariam a lei internacional ou americana e não seriam "base para uma política econômica realista". Um porta-voz do Ministério da Econômia não quis comentar sobre a reportagem da revista.

No mês passado, a empresa de pesquisas econômicas Oxford Economics projetou que a economia dos EUA poderia se tornar 1 trilhão de dólares menor que o esperado em 2021 caso Trump vença a corrida pela Casa Branca.

Trump enfrentará a democrata Hillary Clinton em eleição marcada para 8 de novembro.

FC/rtr/ots

Leia mais