Berlim oferece bônus para migrantes voltarem para casa | Notícias internacionais e análises | DW | 03.12.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Berlim oferece bônus para migrantes voltarem para casa

Governo alemão quer estimular com mais dinheiro requerentes de refúgio cujos pedidos foram negados a abandonarem rápida e voluntariamente o país. Prêmio adicional vale somente até fevereiro do próximo ano, diz ministro.

Kassel-Airport Freiwillige Ausreise von Asylbewerbern (picture-alliance/dpa/U. Zucchi)

Partida voluntária de requerentes de asilo no aeroporto da cidade de Kassel

O governo alemão quer encorajar com mais dinheiro migrantes com requerimentos de refúgio rejeitados a buscar voluntariamente o retorno para seus países de origem, afirmou o ministro do Interior, Thomas de Maizière, à edição deste domingo (03/12) do jornal Bild.

Berlim vem realizando há anos um programa de ajuda financeira com vista a facilitar o repatriamento de requerentes de refúgio cujos pedidos foram negados, incluindo custos associados à viagem e à reintegração na volta para casa.

De Maizière disse ao Bild que famílias poderão receber 3 mil euros adicionais e indivíduos até mil euros a mais se retornarem voluntariamente a seus países de origem até o final de fevereiro próximo.

"Se você decidir retornar voluntariamente até o final de fevereiro, além do apoio inicial de reintegração, você poderá receber ajuda para os custos de habitação nos primeiros 12 meses de sua volta à pátria", afirmou De Maizière num apelo direto aos migrantes cujos requerimentos de refúgio foram negados.

Equipamento de cozinha

Segundo a reportagem, além de pagamentos anteriores, os migrantes também poderão receber dinheiro em seu país para o aluguel, construção e reforma de casas ou mesmo para equipamento básico de cozinha e banheiro.

O programa se chama "Dein Land. Deine Zukunft. Jetzt!" (Seu país. Seu futuro. Agora!). "Existem oportunidades em sua pátria. Nós apoiaremos você com ajuda concreta para sua reintegração", declarou o ministro.

A oferta de De Maizière coincide com relatos do governo da Baviera, que deporta mais afegãos do que qualquer outro estado alemão, de problemas para localizar as pessoas a serem repatriadas.

A Secretaria do Interior da Baviera afirmou ao semanário Welt am Sonntag que os afegãos que descobrem que estão prestes a serem deportados muitas vezes desaparecem dias antes do seu voo de retorno. O órgão disse suspeitar que muitos das planejadas deportações, a maioria delas de criminosos, não acontecem porque os migrantes estariam recebendo ajuda de grupos pró-refugiados alemães para entrarem na clandestinidade.

De acordo com Bild am Sonntag, entre fevereiro e outubro de 2017, apenas 8.639 pessoas aceitaram a ajuda de repatriamento. Segundo a publicação, 115 mil requerentes de refúgio com pedidos rejeitados vivem hoje na Alemanha. 80 mil deles teriam status de tolerados. De janeiro a setembro, segundo o Ministério alemão do Interior, foram deportadas 19.520 pessoas.

CA/afp/dpa/ots

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais