Berlim pressiona por coleta de digitais de refugiados | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 07.02.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Berlim pressiona por coleta de digitais de refugiados

Órgão federal pede que autoridades regionais registrem e comparem impressões digitais de requerentes de asilo para evitar fraudes. Usando identidades falsas, migrantes estariam embolsando dinheiro dos cofres públicos.

O Departamento de Migração e Refugiados da Alemanha (Bamf) está pressionando as autoridades regionais a colher impressões digitais de todos os refugiados no país. O objetivo é evitar fraudes no sistema de benefícios sociais.

"Os departamentos de estrangeiros têm essa obrigação. Eles precisam colher as impressões digitais de todas as pessoas que se registram e comparar os dados aos do registro central", afirmou a nova presidente do Bamf, Jutta Cordt, ao jornal Passauer Neue Presse nesta terça-feira (07/02).

Leia mais: Alemanha destinou 21,7 bi para refugiados em 2016

Segundo Cordt, desde o segundo semestre do ano passado, o Bamf compara as digitais de refugiados com as registradas pelas autoridades de segurança. Dessa maneira, o órgão federal já é capaz de "excluir identidades múltiplas em processos de asilo".

No entanto, o jornal Die Welt noticiou, citando o Bamf, que mais de 90% dos departamentos de estrangeiros da Alemanha não são capazes de comparar as digitais de requerentes de asilo. Estima-se que no máximo 10% dos departamentos tenham o equipamento necessário, e registros múltiplos são facilmente possíveis, segundo o jornal.

A publicação afirmou ainda que, embora os departamentos de estrangeiros já estejam conectados a um sistema de dados central, nem todos têm condições técnicas de coletar e registrar impressões digitais. Além disso, nem todos passaram por um processo completo de digitalização.

Identidades falsas

Recentemente, um caso no estado da Baixa Saxônia veio à tona. Um requerente de refúgio sudanês de 25 anos foi condenado a um ano e nove meses de prisão após embolsar 2.700 euros do Estado usando sete identidades falsas.

Em janeiro deste ano, o ministro do Desenvolvimento, Gerd Müller, afirmou numa entrevista que uma cifra "milionária" da verba destinada a serviços sociais é abocanhada por "registros múltiplos" de requerentes de asilo.

Diante da ameaça terrorista e do suposto abuso frequente dos serviços sociais, Müller pediu um novo controle de todos os requerentes de asilo que chegaram ao país. Segundo o Die Welt, a coleta de digitais deve ser tema de uma conferência dos governadores alemães nesta quinta-feira.

LPF/kna/afp

Leia mais