Bayern vence PSG e conquista a Champions League | Siga a cobertura dos principais eventos esportivos mundiais | DW | 23.08.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Futebol

Bayern vence PSG e conquista a Champions League

Após campanha impecável, bávaros derrotam equipe de Neymar por 1 a 0 e obtêm seu sexto título no torneio. Clube é o terceiro maior vencedor da competição, ao lado do Liverpool e atrás apenas de Real Madrid e Milan.

Jogadores do Bayern levantam a taça da Champions League

Jogadores do Bayern levantam a taça da Champions League: 11 vitórias em 11 jogos

Com uma campanha irreparável, na qual venceu todas as 11 partidas que disputou, o Bayern de Munique se sagrou hexacampeão da Liga dos Campeões neste domingo (23/08) ao vencer o Paris Saint-Germain por 1 a 0 no Estádio da Luz, em Lisboa, graças a um gol de Kingsley Coman, cria da base da equipe francesa.

Coman chegou ao PSG com apenas 8 anos de idade, em 2004, e permaneceu no clube até 2014, quando foi para a Juventus, a qual trocou pelo Bayern em 2016. Ele atingiu agora o clímax da carreira ao aproveitar um cruzamento de Kimmich e marcar de cabeça aos 14 minutos do segundo tempo.

Na chamada "era moderna" da Champions League, iniciada em 1992, jamais uma equipe havia vencido todas as suas partidas, e o Bayern, que já havia faturado a taça em 1974, 1975, 1976, 2001 e 2013, o fez em grande estilo, com destaque para a goleada sobre o Barcelona de Lionel Messi por 8 a 2 nas quartas de final.

Agora, o time é o terceiro maior vencedor da competição, ao lado do Liverpool e atrás apenas de Real Madrid (13 triunfos) e Milan (7).

Esta é a segunda vez que o Bayern consegue ganhar a chamada tríplice coroa, ao vencer na mesma temporada a Bundesliga, a Copa da Alemanha e a Champions League. A primeira vez foi em 2013.

Já o Paris Saint-Germain, finalista pela primeira vez, terá que fazer nova tentativa para obter seu primeiro título na Champions League. Desde a chegada do xeque Nasser Al-Khelaifi, em 2010, foram nada menos que 43 contratações em busca do título europeu, incluindo a mais cara de toda história, a do atacante brasileiro Neymar, pelo qual foram pagos 222 milhões de euros ao Barcelona em 2017.

As duas equipes contaram com retornos importantes para a decisão. No PSG, embora o meia Verratti tenha ficado no banco por não estar 100% fisicamente, o goleiro Navas retornou de lesão e fez grandes defesa. O zagueiro Thiago Silva, que fez o jogo de despedida do clube parisiense após oito anos, foi titular, assim como Marquinhos, que atuou como volante, e Neymar.

No Bayern, o atacante Coman retomou a titularidade, e com isso Perisic começou entre os reservas, enquanto o zagueiro Boateng, que era dúvida, até atuou, mas teve uma recaída e deu lugar a Süle ainda no primeiro tempo. O meia espanhol Thiago Alcantara, filho de Mazinho, campeão mundial pela seleção brasileira em 1994, também apareceu na formação inicial de Hansi Flick.

O jogo foi lá e cá desde o começo, e quem teve a primeira chance de abrir o placar foi o PSG. Mbappé preparou dentro da área para Neymar, que chutou rasteiro de pé esquerdo, e Neuer defendeu com o pé. No rebote, o próprio camisa 10 tentou, mas novamente parou no arqueiro alemão.

A resposta do octocampeão alemão foi dada oito minutos depois. Davies lançou da esquerda para a área até Lewandowski, que girou e bateu sem muita força, mas tirando de Navas. A bola beijou a trave, e a defesa afastou.

Referência do ataque do Bayern e artilheiro desta Champions, com 15 gols, Lewandowski voltou a incomodar aos 31. Kimmich levantou, a bola desviou em Kimpembe, e o centroavante cabeceou a queima-roupa. Navas espalmou no susto e depois encaixou.

O PSG teve tudo para ir para o intervalo em vantagem, mas desperdiçou grande oportunidade aos 45. Alaba cochilou na saída de bola, Mbappé acionou Herrera, que devolveu com açúcar, mas o atacante francês concluiu sem força, e Neuer pegou.

Mais incisivo depois do intervalo, o time bávaro fez 1 a 0 aos 14 minutos da segunda etapa. Müller abriu na direita para Kimmich, que levantou nas costas de Kehrer até Coman, que cabeceou no canto esquerdo e superou Navas.

Em lance parecido, três minutos depois, Coman mais uma vez apareceu para completar de cabeça na esquerda, e de novo tirou do goleiro costarriquenho, mas Thiago Silva cortou em cima da linha.

Passado o baque, o PSG voltou a criar. Aos 24 minutos, Di María adiantou para Marquinhos, que chutou em cima de Neuer. Aos 28, Neymar recebeu de Bernat e buscou o ângulo esquerdo, mas errou o alvo.

A partir de então, o Bayern controlou o máximo que pôde, inclusive mantendo a bola no ataque por bastante tempo. O tricampeão francês ainda fez algumas investidas, mas infrutíferas. Aos 46 minutos, Mbappé passou para Neymar, que bateu cruzado, mas Choupo-Moting não conseguiu desviar para a rede. Aos 48, em mais uma trama entre o francês o brasileiro, o camaronês chegou atrasado e ainda cometeu falta.

MD/efe/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Facebook Messenger | Twitter
YouTube | App | Instagram | Newsletter

Leia mais