Bayern de Munique e o resto | Colunas semanais da DW Brasil | DW | 04.09.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Coluna Halbzeit

Bayern de Munique e o resto

Hexacampeão alemão começa temporada com vitórias, afastando dúvidas quanto ao rendimento da equipe. Enquanto isso, concorrentes teoricamente mais fortes dão sinais de fragilidade, e intrusos despontam na coliderança.

Bayer de Munique com trajes típicos

A poucos dias da Oktoberfest, jogadores do Bayern de Munique participaram de tradicional sessão de fotos em trajes típicos

Mal começou a temporada 18/19, e o atual hexacampeão alemão já tem motivos para festejar. No último domingo (02/09), três semanas antes da Oktoberfest, foi realizada a tradicional sessão de fotos dos jogadores do Bayern de Munique em trajes típicos bávaros, e não poderia faltar o copão de meio litro de Weissbier para brindar o bom início. Afinal, o time saiu vencedor de todos os quatro jogos oficiais disputados até agora e ainda levantou logo de cara a taça da Supercopa ao derrotar o Eintracht Frankfurt por 5 a 0.

Antes do pontapé inicial da nova campanha, havia certa expectativa por parte de alguns comentaristas de que, com a conquista do hexa, o clube bávaro tinha atingido o seu ápice. Consequentemente, seria até natural uma queda de produção.

Argumentos não faltavam. A começar pela contratação do técnico Niko Kovac, visto com desconfiança por conta de sua inexperiência em dirigir um time do porte do Bayern.

Outro fator que alimentava as esperanças de uma maior competitividade da Bundesliga tem a ver com a idade dos jogadores que formam a espinha dorsal da equipe. Jérôme Boateng, Mats Hummels, Javi Martinez e Robert Lewandowski estão na faixa dos 30 anos, além de Arjen Robben, de 34, e Franck Ribéry, de 35.        

Mais cedo ou mais tarde o fator idade poderá prejudicar o rendimento da equipe. O Bayern disputa três competições simultaneamente, e especialmente no setor ofensivo, pelo menos por enquanto, não há substitutos à altura dos titulares "trintões".

Não bastasse isso, a torcida bávara ficou muito ressabiada com a má forma técnica demonstrada por Boateng, Hummels e Thomas Müller durante a Copa do Mundo.

Entretanto, pelo menos no comecinho da nova temporada, todas essas dúvidas foram deixadas de lado. Müller lembrou suas melhores atuações dos bons tempos, Hummels mostrou sua firmeza habitual na defesa, e Lewandowski foi eficiente no ataque como de costume.

O time parece estar muito bem, tanto física como tecnicamente. As vitórias categóricas sobre Hoffenheim e Stuttgart comprovam que a equipe formada pelos mais experientes está bem entrosada e que a qualquer momento pode ser reforçada pelos mais jovens, como Leon Goretzka e Serge Gnabry.

Foi o que aconteceu na partida contra o Stuttgart, na qual Goretzka foi eleito o "homem do jogo" com um gol e uma assistência. Ele recebeu nota 9 da revista kicker.   

E os concorrentes do Bayern?

Não há como fugir da óbvia constatação: enquanto o Bayern voa em céu de brigadeiro, os concorrentes teoricamente mais fortes já deram alguns sinais de fragilidade.

A começar pelo Borussia Dortmund, que, após vitória convincente sobre o Leipzig por 4 a 1, não passou de um empate sem gols contra o Hannover, recém-chegado da segunda divisão. Oportunidades não faltaram para marcar, mas todas foram desperdiçadas.

Ficou patente a falta que faz um verdadeiro centroavante, atacante de ofício. Fica a dúvida se o espanhol Paco Alcácer poderá preencher a lacuna no ataque. Mesmo assim, o time já está a dois pontos de distância do atual campeão.

E o que dizer de Schalke 04 e do Bayer Leverkusen?

O Schalke, atual vice-campeão alemão e classificado para a fase de grupos da Champions League, amarga um 15º lugar na tabela, com duas derrotas consecutivas, um gol marcado e quatro sofridos. E o sabor amargo das derrotas ficou pior ainda por conta dos adversários enfrentados: Wolfsburg e Hertha Berlim.

Os "lobos" (Wolfsburg) por pouco não foram rebaixados na temporada que passou. Já o time de Berlim há anos perambula pela faixa intermediária da tabela de classificação e agora teve a ousadia de derrotar os "azuis reais" (Schalke) por 2 a 0 em plena Veltins Arena, na cidade de Gelsenkirchen.

A situação do Bayer Leverkusen é pior ainda. Também começou mal o campeonato. Acumula duas derrotas, com um saldo negativo de quatro gols (1:5). Por enquanto, está em penúltimo lugar na tabela. É o pior início de campeonato dos últimos dez anos.

Resumo da ópera: os concorrentes naturais do Bayern de Munique, como Borussia Dortmund e Schalke 04, já começaram suas respectivas campanhas no prejuízo. O mesmo pode-se dizer do Leipzig, que ainda não venceu, acumulando uma derrota e um empate.

Em compensação, neste comecinho de campeonato, na ausência dos adversários tradicionais do Bayern, despontam Wolfsburg e Hertha na coliderança, ambos também com seis pontos ganhos. Para os "lobos", este é o melhor início de campeonato desde 2009. Já o time de Berlim teve em 2016 um bom começo, idêntico ao de agora, mas acabou ficando pelo caminho na disputa por vaga na Champions. Terminou em sexto lugar. 

É claro que ainda vai correr muita água debaixo da ponte. Mas, o sinal de alerta está dado. Dos sete times que representam o futebol alemão na Champions League e na Liga Europa, apenas o Bayern de Munique teve um aproveitamento de 100% na Bundesliga.

Do restante, apenas o Borussia Dortmund não perdeu. Todos os outros cinco já perderam pontos preciosos pelo caminho que podem fazer falta no decorrer do campeonato.

Uma coisa, porém, parece certa. Se é verdade que o Bayern de Munique desponta mais uma vez solitário na primeira prateleira, na segunda já surgiram dois intrusos (Wolfsburg e Hertha), relegados ultimamente a um papel secundário na disputa por vagas em competições europeias. Só que desta vez ambos parecem decididos a surpreender clubes tradicionais. Já deram uma amostra disso diante do Schalke e do Leverkusen.

Quem avisa, amigo é: os assim chamados grandes que abram o olho e coloquem suas barbas de molho. Tem intrusos na parada!   

Gerd Wenzel começou no jornalismo esportivo em 1991 na TV Cultura de São Paulo, quando pela primeira vez foi exibida a Bundesliga no Brasil. Desde 2002, atua nos canais ESPN como especialista em futebol alemão. Semanalmente, às quintas, produz o Podcast "Bundesliga no Ar". A coluna Halbzeit sai às terças. Siga-o no TwitterFacebook e no site Bundesliga.com.br

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | 

App | Instagram | Newsletter     

Leia mais

Links externos