Bayer não manterá nome Monsanto após aquisição | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 04.06.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Economia

Bayer não manterá nome Monsanto após aquisição

Gigante americana de sementes é alvo de críticas por seus produtos químicos que contêm glifosato, apontado como cancerígeno. Acordo de US$ 63 bilhões será concluído nesta semana, segundo a multinacional alemã.

Bayer e Monsanto

Aquisição da Monsanto pela Bayer deve criar a maior empresa mundial de sementes e pesticidas

A multinacional alemã de produtos agroquímicos e farmacêuticos Bayer concluirá a compra da empresa americana de sementes Monsanto nesta quinta-feira (07/06), anunciou a companhia alemã. Apesar de a Bayer adquirir todos os produtos pesticidas e de produção de sementes e se tornar a única acionista da Monsanto, o nome da empresa americana deixará de ser usado.

"Monsanto não será mais o nome da empresa", disse a multinacional alemã, acrescentando que "os produtos adquiridos manterão suas marcas e farão parte do portfólio da Bayer".

A Monsanto tem sido fortemente criticada, entre outras questões, por seus produtos químicos que contêm glifosato. Alguns estudos científicos e ações judiciais coletivas afirmam que o glifosato é cancerígeno. Ambientalistas também têm se mostrado preocupados com o fato de que a fusão colocará muito poder nas mãos dos dois gigantes produtores de culturas geneticamente modificadas e herbicidas de glifosato.

O presidente executivo da Bayer, Werner Baumann, enfatizou que a multinacional pretende ouvir os críticos e está ciente de sua responsabilidade como empresa líder no setor agrícola.

"Vamos aplicar o mesmo rigor para atingir nossas metas de sustentabilidade, como fazemos com nossas metas financeiras", afirmou Baumann.

O acordo de 63 bilhões de dólares – que deve criar a maior empresa mundial de sementes e pesticidas – foi confirmado depois que a Bayer recebeu a aprovação das autoridades antimonopólio europeias e americanas.

Como as duas empresas possuem operações globais, o acordo teve que ser aprovado por 30 países em todo o mundo. As condições adicionais estabelecidas pelos países aumentaram os custos da operação para a Bayer, que tem sua sede na cidade de Leverkusen, no oeste da Alemanha.

Com as condições estabelecidas pelos reguladores da União Europeia (UE) e dos EUA, a Bayer só pode começar a integrar a produção da Monsanto em seu portfólio depois de ter vendido parte de seu negócio de agroquímicos e sementes para outra multinacional química alemã, a concorrente Basf.

PV/ap/afp/dpa/rtr

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram

Leia mais