Atratividade do mercado brasileiro de telecomunicações embala disputa entre empresas europeias | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 23.07.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Atratividade do mercado brasileiro de telecomunicações embala disputa entre empresas europeias

Disputa sobre a operadora brasileira Vivo evidencia potencial de ganhos que europeias veem no mercado brasileiro. PT e Telefónica não querem perder o filão.

default

Brasil: mercado extenso e em crescimento

A disputa se passa longe do imaginário da clientela brasileira, mas mobiliza um contingente de advogados internacionais e não tem previsão para acabar. Uma contenda pública entre Portugal Telecom (PT) e Telefónica sobre o domínio da Vivo ocupa, há semanas, os noticiários também na Europa.

No centro, o futuro da joint venture Brasilcel – controladora da Vivo –, formada pela PT e Telefónica, cada com 50%. A empresa espanhola tentou pagar 7,5 milhões de euros pela parte portuguesa, mas a oferta caducou em 16 de julho último. Uma troca de cartas entre a direção das companhias mostra que a Portugal Telecom pediu que a Telefonia estendesse a oferta até o próximo dia 28, mas o pedido não foi aceito.

As parceiras passaram, então, a ser quase inimigas. Aurora Castro Teixeira, economista da Universidade do Porto, em Portugal, vê motivações similares: "A disputa reflete o caráter estratégico que a internacionalização e a inovação têm para as empresas em causa".

Brasil é mercado rentável

Para quem acompanha a movimentação diretamente do mercado brasileiro, o fim da história é previsível. "A Vivo, eu acho, mais dia menos dia, será da Telefónica. Isso é uma questão de tempo", disse em entrevista à Deutsche Welle Eduardo Tude, especialista e consultor na área de telecomunicações.

Apesar de a Telefónica ter acionado escritórios internacionais de advocacia para dissolver a parceria com a PT, Tude não acredita que a briga seja resolvida na Justiça. "O problema hoje é que a Portugal Telecom já se convenceu de que vai vender sua parte, só que ela quer arrumar alguma coisa para comprar antes de efetuar a venda."

De fato, a empresa de Portugal atua internacionalmente em sete países – Angola, Namíbia, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Macau e Timor Leste. Mas nenhum desses mercados é tão rentável como o Brasil: no primeiro trimestre de 2010, os negócios no país contribuíram com 51,7% das receitas da PT.

"A sustentabilidade econômica de médio e longo prazo da PT depende também da entrada em mercados dinâmicos e com potencial de crescimento, como é o caso do brasileiro, já que grande parte dos negócios do grupo no seu mercado base está em fase de maturidade ou saturação", lembra Aurora Teixeira.

A economista, que acompanha o caso de Portugal, avalia que, por outro lado, a Telefónica vê no Brasil a possibilidade de expansão que o mercado espanhol não permite, dado o fraco crescimento econômico daquele país e a saturação da área de telecomunicações.

E mais: "O mercado brasileiro permite, sobretudo, lançar a empresa para outros segmentos, isto é, inovação de mercado e produto, designadamente o das comunicações móveis, contribuindo para o surgimento de um grupo integrado forte com a oferta de serviços de combinados ou integrados fixo-móvel-internet-TV a cabo," explica a portuguesa.

Enquanto o quadro não se define, a PT corre para tentar fechar uma nova parceira no Brasil. Diante de notícias que circularam na imprensa espanhola, a empresa afirmou "não ter celebrado qualquer pré-acordo ou acordo tendo em vista a aquisição de uma participação social na Oi". Pelo menos por enquanto é essa a posição que assumem, ressalta Tude.

Telefonica - Zentrale in Madrid

Centro de decisões da Telefónica em Madri

Atraídos pela abundância

A Vivo é a líder em telefonia celular no Brasil, cobre mais de 2,9 mil municípios, e forma o maior grupo do segmento Hemisfério Sul.

O mercado brasileiro é, atualmente, o quinto no ranking de número de celulares. E está em crescimento: "No mesmo nível de atratividade do Brasil estão Índia e China, mas lá as operadoras são todas chinesas, ou a Rússia, que também já cresceu muito", informa Tude.

Além da Telefónica e da PT, outras operadoras europeias que atuam no Brasil são a Telecom Itália e a francesa Vivendi. Para Tude, pode haver espaço para outras interessadas: "A questão é que é um mercado grande e competitivo e exige muito investimento. Teremos agora uma nova licitação para uma frequência 3G no Brasil, que seria a oportunidade para uma nova entrar."

Autora: Nádia Pontes
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais