Ativista do Pussy Riot supostamente envenenado é tratado em Berlim, diz jornal | Notícias internacionais e análises | DW | 16.09.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Ativista do Pussy Riot supostamente envenenado é tratado em Berlim, diz jornal

Segundo informações do jornal alemão "Bild", Pyotr Verzilov chegou à capital alemã numa emergência aérea. Ele é um dos quatro membros do grupo anti-Kremlin que invadiram o campo de futebol na final da Copa de 2018.

Pyotr Verzilov chega a uma audiência judicial em Moscou após invadir campo na final da Copa do Mundo

Pyotr Verzilov chega a uma audiência judicial em Moscou após invadir campo na final da Copa do Mundo

Pyotr Verzilov, ativista do grupo russo anti-Kremlin Pussy Riot, de 30 anos, foi transferido neste sábado (16/09) para Berlim, onde está sendo tratado por um suposto envenenamento, segundo informações do jornal alemão Bild. Membros da banda punk falam de uma tentativa de assassinato.

Verzilov chegou à capital alemã no final da noite de sábado a bordo de uma aeronave ambulância e está sendo atendido por especialistas no Hospital Charité, continuou o jornal. Um porta-voz do aeroporto berlinense Schönefeld confirmou à agência de notícias DPA a chegada de uma ambulância aérea por volta das 22h45 (hora local).

Segundo relatou a sua companheira, Veronika Nikulshina, Verzilov começou a se sentir mal pouco depois de uma audiência num tribunal, na terça-feira, após o que seu estado piorou rapidamente, e ele foi levado ao hospital.

No sábado, Nikulshina afirmou que Verzilov havia recuperado a consciência e saíra dos cuidados intensivos. De acordo com relatos da mídia, os médicos encontraram em seu sangue drogas psicotrópicas fortes.

Nikulshina disse que Vezilov fora envenenado "com qualquer coisa como atropina. A questão é que foi uma grande dose". Nenhuma fonte oficial adiantou uma causa para o estado de Verzilov.

Verzilov e Nikulshina são dois dos quatro membros do Pussy Riot que invadiram o campo na final do Copa do Mundo da Rússia, tendo sido condenados a 15 dias de detenção por esse ato.

Verzilov é também fundador da plataforma MediaZona, que divulga informações sobre processos contra ativistas dos direitos humanos.

Sua ex-companheira Nadezhda Tolokonnikova disse ao Bild que acredita que seu ex-parceiro tenha sido envenenado de propósito e que se trataria de um ato de intimidação ou até mesmo de uma tentativa de assassinato.

O Pussy Riot tornou-se conhecido mundialmente com ações espetaculares contra a arbitrariedade judicial e a corrupção.

Tolokonnikova, com quem Verzilov tem uma filha, foi presa em 2012 depois de uma "oração punk" numa igreja moscovita, tendo sido condenada por "vandalismo de ódio religioso" e libertada no final de 2013.

CA/efe/lusa/dpa

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp

 | App | Instagram | Newsletter

Leia mais