1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Homem bate martelo de juiz em tribunal
Veredicto confirmou multa determinada em primeira instânciaFoto: Trischberger Rupert/Zoonar/picture alliance
SociedadeAlemanha

Ativista antifascista é multado por saudação nazista

22 de dezembro de 2021

Tribunal alemão condena homem a pagar multa de R$ 13 mil. Ele argumentou que fez o gesto como forma de protesto contra partido de ultradireita AfD. Saudação é proibida na Alemanha desde o fim da Segunda Guerra Mundial.

https://www.dw.com/pt-br/ativista-antifascista-%C3%A9-multado-por-fazer-sauda%C3%A7%C3%A3o-nazista-em-protesto/a-60227820

Um homem que fez a saudação nazista em protesto contra um partido de ultradireita foi condenado a pagar 2.100 euros (R$ 13,5 mil) de multa por realizar o gesto em público, segundo a decisão em segunda instância de um tribunal alemão anunciada nesta quarta-feira (22/12).

O homem, de 47 anos, estava em 2018 entre os manifestantes na cidade de Fürth, sudeste da Alemanha, que se manifestaram contra um estande montado pelo partido de ultradireita Alternativa para a Alemanha (AfD) na zona de pedestres da cidade.

Ele argumentou que fez o gesto para simbolizar sua oposição às políticas de ultradireita da AfD. A saudação, que envolve levantar o braço direito direto com a palma e dedos estendidos, está intrinsecamente associada ao regime do ditador nazista Adolf Hitler. Seu uso público é proibido na Alemanha.

O tribunal argumentou que o uso de símbolos nazistas deve ser limitado, mesmo em tais casos. O juiz observou que vários transeuntes, incluindo policiais, viram o réu fazer o gesto e, além disso, ouviram quando ele gritou expressões nazistas.

Onze testemunhas deram depoimento, muitas das quais disseram que os gritos não podiam ser identificados claramente como protesto.

O AfD é uma sigla controversa e que vários de seus membros costumam ser vigiados de perto pelas autoridades. Embora a legenda esteja representada em todos os parlamentos estaduais alemães e tenha 10,3% dos assentos no atual Bundestag, muitas vezes é acusada de ter ligações com neonazistas e negacionistas do Holocausto.

md (DPA, ots)