Atirador de Toulouse planejava novos ataques | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 21.03.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Atirador de Toulouse planejava novos ataques

Segundo presidente francês, suposto autor de atentado a escola judaica pretendia agir novamente nesta quarta-feira. Suspeito declarou cumprir missão da Al Qaeda. Explosivos foram encontrados no carro de seu irmão.

O suposto autor do atentado que deixou sete mortos em Toulouse, na França, nesta segunda-feira (19/03) planejava agir novamente nesta quarta-feira (21/03), disse o presidente Nicolas Sarkozy. O suposto assassino é um francês de origem argelina de 24 anos, identificado como Mohammed Merah.

Após o ataque a uma escola judaica, não se sabe ao certo qual seria o próximo alvo do atirador. Segundo Nicole Yardeni, do Conselho Representativo de Instituições Franco-judaicas, Sarkozy não mencionou quem o criminoso pretendia matar. De acordo com informações da agência de notícias AFP, o alvo seria um soldado.

Merah, cercado pela polícia desde a madrugada desta quarta-feira, disse que recebeu ordens da rede terrorista Al Qaeda para o ataque, informou o ministro do Interior francês, Claude Guéant. Ele teria se recusado, entretanto, a realizar um ataque suicida.

"Ele explicou como recebeu instruções da Al Qaeda durante sua estada no Paquistão, como tinha sido aconselhado a realizar uma missão suicida e se recusado, mas aceitado executar a missão geral de cometer um ataque na França", disse Guéant à emissora de televisão TF1.

Explosivos e familiares

Frankreich Innenminister Claude Gueant

Guéant disse que a mãe e o irmão do suspeito foram colocados em prisão preventiva

A polícia francesa disse ter encontrado explosivos em um carro que pertencia ao irmão do suspeito. Os explosivos estão sendo analisados, disse uma fonte próxima às investigações, dizendo que eram compostos de um pó escuro que poderia ser lignito, um tipo de carvão de queima lenta.

Mais cedo, a polícia havia informado também ter detido a mãe de Merah, o irmão e sua namorada, cujas casas foram investigadas. Segundo Guéant, os três haviam sido colocados em "detenção preventiva".

Uma fonte próxima às investigações disse que o irmão de Merah simpatizava com radicalistas islâmicos. Segundo a polícia, uma mensagem foi enviada do computador do irmão para marcar um encontro com um soldado posteriormente morto a tiros.

LPF/dpa/afp
Revisão: Francis França

Leia mais