Atentado mata 10 em Istambul; Turquia culpa ″Estado Islâmico″ | Notícias internacionais e análises | DW | 12.01.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Atentado mata 10 em Istambul; Turquia culpa "Estado Islâmico"

Homem-bomba, que se explodiu em ponto turístico, é identificado pelo governo turco como um sírio de 28 anos e ligado ao grupo terrorista. Oito dos mortos eram alemães.

Assistir ao vídeo 00:29

Veja imagens do atentado em Istambul

Uma explosão causada por um homem-bomba no centro histórico de Istambul, na manhã desta terça-feira (12/01), deixou dez mortos e 15 feridos, dois dos quais em estado grave. Oito das vítimas do atentado, que o governo atribuiu ao "Estado Islâmico", eram turistas alemães.

"Um homem-bomba de origem síria foi responsável por este ato de terrorismo", disse o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, que condenou o atentado em um pronunciamento na televisão. Segundo ele, a Turquia "é o primeiro alvo de todas as organizações terroristas ativas nesta região".

O ataque aconteceu às 10h18 (hora local) no distrito Sultanahmet, onde ficam alguns dos pontos turísticos mais famosos da Turquia, como a Basílica de Santa Sofia (Hagia Sophia) e a Mesquita Azul, na parte europeia da metrópole de 14 milhões de habitantes. Milhares de turistas passam pelo local todos os dias.

Türkei Anschlag in Istanbul Aufnahme eines Touristen

Imagem registrada no celular de um turista no momento da explosão

O primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, disse que o terrorista era um estrangeiro membro do "Estado Islâmico", de cerca de 28 anos, que não tinha registro na polícia local e cruzou da Síria para a Turquia há pouco tempo.

Logo após a explosão, a Alemanha alertou seus cidadãos a evitarem pontos turísticos em Istambul. Pelo menos seis alemães estariam entre os feridos, segundo informou a rede de TV CNN na Turquia.

"O terrorismo internacional mostrou hoje, mais uma vez, sua face cruel e desumana. Nós precisamos agir decisivamente contra isso", disse a chanceler federal alemã, Angela Merkel, logo após o atentado.

Mais de 5 milhões de alemães visitaram a Turquia no ano passado – um sexto do total de turistas. O atentado é mais um revés para a já abalada indústria turística turca. Em outubro, um ataque atribuído ao "Estado Islâmico" deixou 103 mortos na capital Ancara. Desde então, a Turquia está em alerta máximo contra o terrorismo.

A União Europeia (UE) manifestou solidariadade para com a Turquia. "Condeno o brutal atentado terrorista em Istambul", escreveu o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk em sua conta no Twitter. A chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, declarou que a UE e a Turquia "estão unidas contra todas as formas de terrorismo" e que os esforços conjuntos precisam sem ampliados.

FF/rtr/dpa/afp

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados