Ataque suicida atinge procissão xiita na Nigéria | Notícias internacionais e análises | DW | 27.11.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Ataque suicida atinge procissão xiita na Nigéria

Movimento islâmico local fala em 21 mortes e responsabiliza organização extremista sunita Boko Haram pelo atentado. Segundo homem-bomba teria sido detido antes de detonar explosivos.

Um atentado suicida atingiu uma procissão de centenas de muçulmanos xiitas moderados de Kano, a segunda maior cidade da Nigéria, para Zaria, comunicaram autoridades locais e um líder xiita, nesta sexta-feira (27/11).

Segundo um líder do Movimento Islâmico na Nigéria, Muhammad Turi, ao menos 21 pessoas foram mortas. "Perdemos 21 pessoas e várias outras foram feridas", disse.

Em comunicado, a organização afirmou que outro homem-bomba foi detido antes de conseguir executar a explosão e confessou que um segundo agressor estava na multidão. Este teria detonado sua bomba quando percebeu que seu cúmplice tinha sido detido.

"Estava vestido de preto como todos nós. O seu cúmplice tinha sido detido antes e tinha confessado que eles tinham sido enviados pelo Boko Haram. Eles faziam parte dos jovens raptados no estado de Borno, no ano passado, e foram levados para a floresta de Sambisa onde foram obrigados a passar por treino militar. Foram enviados para Kano há 11 dias e mantidos numa casa especificamente para realizarem este ataque", disse a organização.

A polícia informou apenas que houve mortes, mas sem precisar um número. "Foi em uma área de mata, numa área rural ao longo da rodovia. Nossa preocupação é assegurar todo o perímetro. A bomba foi feita de explosivo de alto calibre", disse o comissário da polícia local, Muhammad Musa Katsina. Ele afirmou que ainda não se sabe quem está por trás do ataque.

A suspeita provavelmente cairá sobre o grupo radical islâmico Boko Haram, que frequentemente utiliza homens-bomba para acertar alvos fáceis. como lugares de culto, mercados e estações de ônibus. Desde que perdeu neste ano a maior parte do território que controlava, a organização sunita voltou às táticas de guerrilha e jurou lealdade ao "Estado Islâmico" (EI). Na última semana, duas mulheres-bomba atingiram um mercado de celulares em Kano, matando ao menos 14 pessoas e ferindo outras cem.

Desde 2009, o Boko Haram tem tentando estabelecer um Estado islâmico nos moldes da sharia no nordeste da Nigéria. O grupo chegou a conquistar vastos territórios em 2014, antes de ser repelido por forças nigerianas e de países vizinhos.

Em seis anos de conflitos, ao menos 2,1 milhões de pessoas foram deslocadas e milhares mortas. A Anistia Internacional calcula que nesse período ao menos 20 mil pessoas tenham sido mortas pelo Boko Haram.

PV/lusa/afp/ap/rtr

Leia mais