Ataque com faca mata turistas em resort no Egito | Notícias internacionais e análises | DW | 14.07.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Ataque com faca mata turistas em resort no Egito

Agressor invade praia privativa de hotéis no Mar Vermelho e ataca seis mulheres, matando duas delas e ferindo as demais. Segundo relatos, vítimas são cidadãs alemãs, tchecas e armênias. Suspeito é detido após incidente.

Ao menos duas mulheres morreram e outras quatro ficaram feridas nesta sexta-feira (14/07), vítimas de um ataque com faca num balneário na cidade de Hurghada, no Egito, às margens do Mar Vermelho. Segundo o Ministério egípcio do Interior, o agressor foi detido logo após o incidente.

Fontes médicas e de segurança relataram inicialmente que as duas turistas mortas eram ucranianas, o que foi negado pela Embaixada de Kiev no Cairo, em entrevista a uma emissora da Ucrânia.

Mais tarde, o oficial Mohamed El-Hamzawi, responsável pela segurança da província do Mar Vermelho, disse à agência de notícias Reuters que as vítimas foram identificadas como alemãs. O serviço de informação estatal do Egito também confirmou a nacionalidade.

O Ministério do Exterior alemão, por sua vez, afirmou que as autoridades em Berlim "ainda não têm certeza" de que as vítimas eram cidadãs de seu país, apesar de não descartar a possibilidade. Em nota, o órgão também condenou o que chamou de "ato covarde e malicioso".

Resorts na cidade de Hurghada são destino popular entre turistas estrangeiros

Resorts na cidade de Hurghada são destino popular entre turistas estrangeiros

Entre as mulheres feridas, duas são armênias, segundo confirmou um porta-voz do Ministério do Exterior do país. Há divergências, porém, nas informações sobre a nacionalidade das duas outras vítimas.

Agências de notícias citaram fontes que afirmam que elas eram tchecas, mas o Ministério do Exterior em Praga, até então, confirmou apenas uma cidadã entre as vítimas. Segundo o jornal árabe Al-Shorouk, publicado no Egito, uma fonte oficial da saúde do país disse que a quarta turista ferida era ucraniana.

Após o ataque, elas foram levadas a hospitais nas proximidades e recebem tratamento. De acordo com a mesma fonte do diário egípcio, a condição delas é estável.

As agressões ocorreram em dois hotéis adjacentes, localizados num dos balneários turísticos mais populares do Egito, a 400 quilômetros ao sul da capital, Cairo. Ambos possuem praias privativas.

Segundo relatos citados pela imprensa, o agressor teve acesso à praia do Zahabia Hotel a nado, tendo partido de uma praia pública nos arredores. Lá ele esfaqueou quatro mulheres – duas não resistiram aos ferimentos e morreram –, antes de atacar outras duas no hotel Sunny Days El Palacio.

"Ele tinha uma faca e esfaqueou cada uma das mulheres três vezes no peito. Elas morreram na praia", relatou o chefe de segurança de um dos hotéis, Saud Abdelaziz, à Reuters.

As autoridades egípcias estão interrogando o suspeito e ainda investigam suas motivações. A hipótese mais provável seria tentativa de roubo, mas um possível ataque terrorista não foi descartado. Não foi divulgada a identidade do agressor. Segundo a imprensa local, ele aparenta ter cerca de 20 anos.

O balneário em Hurghada foi palco de um ataque semelhante em janeiro do ano passado, quando três turistas foram feridos por homens identificados como simpatizantes do grupo "Estado Islâmico".

O incidente desta sexta-feira aconteceu no mesmo dia em que cinco policiais foram mortos por homens armados que, dirigindo motos, emboscaram seus veículos nos arredores do Cairo.

EK/afp/ap/dpa/efe/rtr/ots

Leia mais