Arquivos de espionagem da Stasi somam 110 quilômetros de papel | Página especial sobre a data da queda do Muro de Berlim | DW | 27.10.2009

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Muro de Berlim

Arquivos de espionagem da Stasi somam 110 quilômetros de papel

Quando o tema é a antiga Alemanha Oriental, é quase inevitável falar sobre a Stasi, o órgão de espionagem do regime comunista. Desde 1992, vítimas de espionagem têm acesso aos relatórios de espionagem e observação.

60 quilômetros de arquivos ainda são desconhecidos

60 quilômetros de arquivos ainda são desconhecidos

"Stasi" é a abreviatura para "Ministerium für Staatssicherheit" (Ministério de Segurança do Estado – MfS), o serviço secreto da antiga República Democrática Alemã (RDA). Esse órgão de espionagem vigiava a população através de um imenso aparato técnico e de pessoal.

Tratava-se também de um monstro estruturado militarmente, cujo serviço de inteligência para o exterior (HVA) tentava investigar e infiltrar-se no "inimigo da classe operária", sobretudo na República Federal Alemã – às vezes com mais, às vezes com menos sucesso.

A Stasi sempre esteve nas manchetes, mesmo 20 anos depois de sua dissolução. Um dos casos mais espetaculares foi o desmascaramento em 1974 de Günter Gillaume, que trabalhava como assistente pessoal do então premiê alemão Willy Brandt, e que durante anos vendeu segredos do governo de Bonn às lideranças da RDA em Berlim Oriental.

A maior parte dos arquivos do HVA foi aniquilada. Dessa forma, a opinião pública jamais conhecerá o verdadeiro raio de ação do serviço secreto da antiga RDA. Por outro lado, as vítimas de espionagem podem ter acesso aos documentos que restaram.

Administração Gauck

Diskussion um Stasi-Akten und Gauck-Behörde 1992

Gauck (d) em 1992: primeiro diretor do arquivo deu nome ao órgão

Em janeiro de 1992, o encarregado do governo alemão para a administração dos arquivos da Stasi iniciou seus trabalhos. A Lei sobre os Documentos do Serviço Secreto da ex-RDA garante a cada cidadão alemão o direito de saber se a Stasi colheu informações a seu respeito. Se esse for o caso, ele pode exigir o exame e a entrega de documentos.

Devido ao seu longo nome, o escritório responsável pela administração dos arquivos do serviço secreto da antiga Alemanha Oriental recebeu o nome de Gauck Behörde (Agência Gauck), em referência ao seu primeiro diretor, o pastor de Rostock e defensor dos direitos humanos Joachim Gauck.

Desde o início, o interesse pelos arquivos da Stasi foi imenso. Passadas 48 horas de sua abertura, os 100 mil formulários de petição para a Administração Gauck se esgotaram. Até nos jornais eles foram impressos. Era algo de inédito: pela primeira vez os cidadãos de um Estado tinham acesso aos relatórios de espionagem e observação de um serviço secreto sobre eles.

110 quilômetros de papel

Katharina Witt für Frauengalerie

Patinadora Witt recebeu privilégios da Stasi

A peça central da Agência Gauck são os arquivos com a herança da Stasi: pastas, fichas, filmes, documentos sonoros e microfichas. Segundo a atual encarregada do órgão, Marianne Birthler: "Temos mais de 110 quilômetros só em papel. Desses, 50 quilômetros foram arquivados pela Stasi. Eles não dispõem de verbetes, palavras-chave ou algo semelhante".

Quanto aos outros 60 quilômetros, eles não são acessíveis. "Trata-se de todas as pastas retiradas dos escritórios dos oficiais, que se foram amarradas em grupos e dispostas em prateleiras. Não tínhamos ideia do que havia lá dentro, nem em relação às pessoas, nem aos temas", esclarece Birthler.

Entrada de pedido

O pedido de acesso aos arquivos não é feito somente por indivíduos. Segundo as diretrizes legais, o exame dos documentos é garantido também a instituições públicas, cientistas e jornalistas, para a verificação, por exemplo, de políticos, funcionários públicos, juízes, personalidades ou no caso de processos de reabilitação de vítimas da Stasi.

Até hoje, cerca de 6,4 milhões de pedidos foram feitos à administração. Desde 1992, por volta de 1,6 milhão de pessoas examinaram seus arquivos da Stasi. O processo é relativamente simples: dá-se entrada com um pedido na administração central em Berlim ou num dos 14 escritórios espalhados pela Alemanha. Em seguida, o nome do requerente é pesquisado. Ele marca então uma hora numa sala de leitura, onde poderá examinar seus arquivos.

Órgão de esclarecimento

O interesse pública se dirige principalmente ao casos que envolvem personalidades, como a história da atual deputada federal Vera Lengsfeld, que foi espionada por seu próprio marido. Katarina Witt, a patinadora artística de maior sucesso na antiga Alemanha Oriental, também recebeu privilégios da Stasi.

O órgão responsável pelos arquivos também se dedica ao esclarecimento de casos de cooperação com a Stasi. Segundo dados da Agência Gauck, 59 membros do Bundestag, câmara baixa do Parlamento alemão, trabalharam de forma inoficial para a Stasi, entre eles, o presidente do partido A Esquerda, Gregor Gysi.

A administração explicou ainda que 34% dos informantes da Stasi exercem atualmente cargos influentes em empresas e associações comerciais. Até hoje, cerca de mil funcionários informais que a Stasi mantinha na antiga Alemanha Ocidental não foram desmascarados, informou a autoridade.

Autor: M. Marek / M. Fürstenau / C. Albuquerque
Revisão: Augusto Valente

Leia mais