Apoio de países ricos pode impulsionar quebra de patentes de vacinas | Notícias internacionais e análises | DW | 06.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Apoio de países ricos pode impulsionar quebra de patentes de vacinas

Após apoio histórico dos EUA à suspensão de patentes de imunizantes contra covid-19, UE sinaliza estar disposta a discutir medida. Indústria farmacêutica afirma que seria a resposta errada para problema complexo.

Mulher com face shield, máscara e vacina na mão

OMS afirmou que apoio dos EUA à quebra de patentes é "um momento monumental na luta contra a covid-19"

Em meio à batalha contra a covid-19 mundo afora e pedidos pelo compartilhamento de tecnologia de vacinas para ajudar a conter a pandemia, os Estados Unidos manifestaram apoio à suspensão de patentes de imunizantes, e a União Europeia sinalizou que pode seguir a mesma linha. 

Após o governo do presidente americano, Joe Biden, anunciar na noite desta quarta-feira (06/05) que apoia a medida – num gesto classificado de histórico –, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, afirmou que a União Europeia (UE) está disposta a conversar sobre a proposta.

"A UE está disposta a discutir qualquer proposta que responda à crise de forma efetiva e pragmática. E é por isso que estamos dispostos a discutir como a proposta dos EUA para uma suspensão da proteção à propriedade intelectual de vacinas poderia ajudar a alcançar esse objetivo”, declarou a chefe do bloco nesta quinta-feira, sem se comprometer com um apoio formal à quebra de patentes.

Ouvir o áudio 05:21

Boletim de Notícias (06/05/2021)

Von der Leyen ressaltou que a prioridade da UE é impulsionar a capacidade global de abastecimento de vacinas, implicitamente criticando os EUA e o Reino Unido, que até agora vêm limitando a exportação de imunizantes. "No curto prazo, pedimos a todos os países produtores de vacinas que permitam a exportação e evitem medidas que perturbem as cadeias de abastecimento."

Na quarta-feira, a representante de comércio dos EUA, Katherine Tai, afirmou que "o governo [Biden] acredita fortemente em proteções da propriedade intelectual, mas, em prol do fim desta pandemia, apoia a suspensão dessas proteções para vacinas contra a covid-19".

"Vamos participar ativamente em negociações na Organização Mundial do Comércio (OMC) necessárias para fazer isso acontecer", afirmou a representante americana. "Esta é uma crise sanitária global. As circunstâncias extraordinárias da pandemia de covid-19 exigem medidas extraordinárias."

Trata-se de uma mudança radical de posição, que coloca os EUA ao lado de países em desenvolvimento que pressionam os países ricos a fazerem mais pela distribuição de vacinas mundo afora.

Em outubro do ano passado, Índia e África do Sul apresentaram à OMC uma proposta para suspender as patentes. Desde então, mais de cem países manifestaram apoio à medida.

Estados Unidos, União Europeia e outras nações desenvolvidas haviam bloqueado a ideia, e o Brasil foi o único país entre as nações de renda média e baixa a se manifestar contra. Um grupo de 110 congressistas dos EUA enviou uma carta a Biden no mês passado pedindo um novo posicionamento.

Negociações podem levar meses

O objetivo da suspensão de patentes é permitir que fabricantes de todo o mundo tenham acesso ao conhecimento e tecnologia necessários para fabricar vacinas, e que, assim, a produção aumente e os imunizantes cheguem também às regiões mais pobres do mundo.

A suspensão ainda precisa ser aprovada por consenso na OMC, mas o apoio dos EUA e possivelmente da UE deve ter forte influência sobre as negociações.

Assistir ao vídeo 06:11

A briga pelas patentes de vacinas contra covid-19

Nesta quinta, especialistas em comércio ouvidos pela agência de notícias Reuters afirmaram que pode levar meses para a OMC aprovar a medida. Segundo os especialistas, além de levarem tempo, as negociações devem resultar numa suspensão com escopo bem menos amplo do que o inicialmente proposto pela Índia e a África do Sul.

Nos últimos sete meses, dez reuniões sobre o tema terminaram sem consenso entre os membros da OMC. A proposta inicial apresentada incluía a quebra de patentes para vacinas, tratamentos, testes, respiradores, equipamentos de proteção e outros produtos relacionados à pandemia.

OMS e Fiocruz: gesto "histórico"

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, classificou o apoio do  governo Biden a uma suspensão das patentes de histórico e "um momento monumental na luta contra a covid-19”.

Ghebreyesus afirmou que o compromisso dos EUA é um "poderoso exemplo da liderança americana no enfrentamento a desafios sanitários globais”.

"O anúncio não me surpreende, é o que eu esperava do governo do presidente Biden”, acrescentou o diretor-geral da OMS – organização que o ex-presidente Donald Trump havia ameaçado abandonar no ano passado. "Parabenizo os EUA por essa decisão histórica para conseguir uma igualdade nas vacinas e dar prioridade ao bem-estar de todos em momentos críticos.”

A Aliança Mundial para Vacinas e Imunização (Gavi), colíder do consórcio internacional Covax Facility ao lado da OMS, também elogiou o apoio dos EUA e pediu que Washington ajude fabricantes a também transferirem know-how para impulsionar a produção global urgentemente. 

Paulo Buss, coordenador do Centro de Relações Internacionais em Saúde da Fiocruz, classificou em entrevista ao jornal O Globo o novo posicionamento dos EUA de "surpreendente e histórico".

"Esta decisão terá implicações simbólicas e concretas muito importantes. Se for executada pelas empresas americanas adequadamente, isso significa que teremos acesso a tecnologias de vacinas da geração mais recente, de RNA mensageiro", disse.

Indústria farmacêutica: "Resposta simples, mas errada"

Críticos, especialmente da indústria farmacêutica, afirmam que a suspensão de patentes não seria uma panaceia. Eles insistem que a produção de vacinas contra o coronavírus é complexa e não pode ser aumentada simplesmente por um afrouxamento da propriedade intelectual.

Em vez disso, a indústria afirma que é mais urgente reduzir gargalos no fornecimento e a escassez de ingredientes necessários para as vacinas. Críticos também argumentam que a quebra de patentes poderia minar a inovação.

Assistir ao vídeo 01:42

Vale a pena quebrar patentes da vacina contra covid-19?

"Uma suspensão [de patentes] é a resposta simples, mas errada para o que é um problema complexo'', disse a Federação Internacional de Fabricantes e Associações Farmacêuticas.

Stepehen Ubl, CEO da Pharmaceutical Research and Manufacturers of America, grupo commercial que representa empresas do setor farmacêutico nos EUA, afirmou que a decisão dos EUA vai "semear confusão entre parceiros públicos e privados, enfraquecer ainda mais cadeias de fornecimento e fomentar a proliferação de vacinas falsificadas''.

Michelle McMurry-Heath, executiva-chefe do grupo comercial Biotechnology Innovation Organization, disse que a decisão minará os incentivos para desenvolver vacinas e tratamentos para futuras pandemias.

"Entregar a países necessitados um livro de receitas sem os ingredientes, salvaguardas e a mão de obra necessária não ajudará as pessoas que esperam pela vacina", argumentou.

Leia mais