Após pressão de Trump, Israel barra entrada de deputadas americanas | Notícias internacionais e análises | DW | 15.08.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Após pressão de Trump, Israel barra entrada de deputadas americanas

Presidente dos EUA disse que permitir visita das muçulmanas Rashida Tlaib e Ilhan Omar seria sinal de fraqueza por parte do governo israelense, porque as congressistas "odeiam judeus". Pouco depois, Israel anuncia veto.

Ilhan Omar e Rashida Tlaib

As deputadas Ilhan Omar e Rashida Tlaib foram alvo de ataques de Trump no mês passado

O governo do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanhayu, anunciou nesta quinta-feira (15/08) que vai barrar a entrada no país de duas congressistas americanas, as democratas Ilhan Omar e Rashida Tlaib. O anúncio foi feito pouco depois de o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, encorajar publicamente uma ação israelense nesse sentido.

Pela manhã, o republicano escreveu no Twitter que as deputadas – que são muçulmanas – "odeiam Israel e todo o povo judeu". "Seria um sinal de grande fraqueza se Israel permitisse que Omar e Tlaib visitassem o país. (...) Elas são uma desgraça."

Minutos após a publicação dos tuítes, a vice-ministra do Exterior israelense, Tzipi Hotovely, confirmou em entrevista a uma rádio local que o país decidiu não conceder vistos de entrada às deputadas. "Não vamos permitir a entrada de quem nega nosso direito de existir no mundo", afirmou.

Rashida Tlaib e Ilhan Omar são membros de um quarteto de congressistas progressistas do Partido Democrata que foi apelido de "o esquadrão", e que vem chamando a atenção por suas posições bem à esquerda da legenda.

Em julho, as duas, junto com Alexandria Ocasio-Cortez e Ayanna Pressley, foram alvo de uma série de ataques racistas por parte de Trump.

Tlaib, nascida em Detroit, é descendente de palestinos. Já Omar chegou aos EUA como refugiada ainda quando criança, após sua família fugir de conflitos na Somália. Ela é a primeira mulher negra muçulmana a se eleger para o Congresso americano.

Ocasio-Cortez, nascida em Nova York, é descendente de porto-riquenhos, e Pressley, de Cincinnati, é a primeira afro-americana a ser eleita por Massachusetts. Apenas Omar não nasceu nos EUA, mas é cidadã do país desde os anos 2000.

Em seus ataques anteriores, Trump sugeriu que as democratas deveriam deixar os Estados Unidos. "Essas congressistas e seus comentários estão ajudando a alimentar a ascensão de uma perigosa esquerda militante", disse o republicano em julho.

"Tenho uma sugestão para as extremistas cheias de ódio que constantemente tentam dividir nosso país. Elas nunca têm nada de bom para dizer [...] Sabe o quê? Se não amam [o país], diga a elas para deixá-lo."

Na ocasião, ele também disse que elas "odeiam Israel com uma paixão sem limites", em referência a Omar e Tlaib, que já se envolveram em algumas controvérsias relacionadas ao tradicional aliado dos Estados Unidos.

Ao anunciar a decisão de negar os vistos, o gabinete de Netanyahu afirmou que decidiu barrar as deputadas por causa da participação delas no movimento Boicote, Desinvestimento e Sanções, conhecido pela sigla BDS, uma ação internacional para pressionar Israel a acabar com a ocupação da Cisjordânia, entre outras pautas.

Uma lei israelense de 2017 prevê que promotores e apoiadores do BDS podem ser proibidos de entrar no país.

"Como uma democracia vibrante e livre, Israel está aberta a qualquer crítica, com uma exceção. A lei de Israel proíbe a entrada de pessoas que pedem e agem para boicotar Israel, como é o caso de outras democracias que impedem a entrada de pessoas que consideram prejudiciais ao país", disse Netanyahu em comunicado.

Só que, em julho, o embaixador israelense nos Estados Unidos, Ron Dermer, havia dito que isso não pesaria na concessão dos vistos e que o governo israelense permitiria a entrada das congressistas, levando em conta as relações entre os dois países e o respeito pelo Congresso americano.

No mês passado, Omar apresentou ao Congresso uma resolução copatrocinada por Tlaib para deixar claro que boicotes são um direito constitucionalmente protegido pela liberdade de expressão. A resolução não mencionava especificamente Israel ou os palestinos, mas mencionava antigas sanções e boicotes contra a União Soviética, a África do Sul e a Alemanha nazista.

O itinerário da viagem de Rashida Tlaib e Ilhan Omar incluía uma visita ao complexo do Monte do Templo, área que Israel anexou há mais de 50 anos.

A decisão de banir a entrada das congressistas deve aprofundar as divergências entre os democratas em relação a Israel. Historicamente, o país conta com apoio bipartidário no Congresso americano.

O episódio também ocorre em um momento em que o apoio ao governo de direita de Netanyahu está diminuindo dentro do Partido Democrata. Recentemente, uma pesquisa indicou que 56% dos democratas apoiariam sanções econômicas contra Israel se o país continuar a expandir os assentamentos em território ocupado.

A decisão de barrar as deputadas também já provocou uma reação negativa entre os membros do partido.

"Israel não ajuda a sua posição como uma democracia tolerante ou um aliado inabalável dos EUA ao impedir que membros eleitos do Congresso visitem o país por causa de suas opiniões políticas", escreveu no Twitter a senadora Elizabeth Warren, que é pré-candidata democrata à presidência.

Israel recebe regularmente delegações do Congresso americano. No início de agosto, 41 democratas e 31 republicanos participaram de uma visita ao país.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
App | Instagram | Newsletter

Leia mais