Após conflito, 1.200 venezuelanos deixam Roraima | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 19.08.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Após conflito, 1.200 venezuelanos deixam Roraima

Imigrantes foram alvos de ataques de brasileiros durante o sábado em Pacaraima. Governo federal anuncia construção de abrigo fora da cidade.

Brasilien Grenze zu Venezuela wieder offen (picture-alliance/AP Photo/E Peres)

Governo da Venezuela criticou o que chamou de "violência alimentada por uma perigosa matriz de opinião xenófoba"

Após o conflito que ocorreu no sábado (18/08) em Pacaraima, no norte de Roraima, 1.200 venezuelanos deixaram a cidade, de acordo com informações do Exército. Ao longo do dia, grupos de brasileiros armados com pedras, paus e bombas caseiras atacaram venezuelanos e incendiaram acampamentos dos imigrantes na cidade. Não houve feridos. O conflito começou após um comerciante local ter sido assaltado e agredido por quatro venezuelanos. 

O comando da Operação Acolhida, uma força-tarefa logística e humanitária para tratar da crise migratória na região, informou ainda que durante o conflito o posto de controle entre a Venezuelana e Brasil chegou a ser fechado.

------------

Receba as notícias da DW Brasil pelo WhatsApp

------------

Neste domingo (19/08), a situação era mais tranquila na cidade. O posto de identificação e recepção da Polícia Federal na fronteira funciona normalmente.

-A escalada de violência na região foi tema de uma reunião convocada neste domingo pelo presidente Michel Temer no Palácio da Alvorada.

Após o encontro, o governo anunciou medidas para conter a violência em Roraima e lidar com os milhares de imigrantes venezuelanos que regularmente chegam ao Estado fugindo da crise no país vizinho.  

Segundo nota da Presidência, será enviado para a região um reforço de 120 homens da Força Nacional, além de 36 voluntários da área da saúde para atendimento aos imigrantes venezuelanos.

O governo também afirmou que vai trabalhar para enviar os venezuelanos para outros Estados, além de estabelecer um “abrigo de transição” entre Boa Vista e Pacaraima, “de forma a reduzir o número de pessoas nas ruas”. Ou seja,  um abrigo fora da cidade.

A nota diz ainda que o governo continua em condições de empregar as Forças Armadas para a Garantia da Lei e da Ordem (GLO) em Roraima. Por força de lei, tal iniciativa depende da solicitação expressa da governadora do estado.

O conflito no sábado chegou a provocar uma manifestação do governo venezuelano, que pediu que as autoridades brasileiras protegessem seus cidadãos.

De acordo com a chancelaria venezuelana, foram solicitadas ao Ministério de Relações Exteriores do Brasil "garantias correspondentes aos nacionais venezuelanos e medidas de resguardo e segurança de seus familiares".  

O governo da Venezuela expressou ainda "preocupação pelas informações que confirmam ataques a imigrantes venezuelanos, bem como desalojamentos massivos de nossos compatriotas, acontecimento que viola normas do direito internacional, além de vulnerar seus direitos humanos".

Caracas também criticou o que chamou de "violência alimentada por uma perigosa matriz de opinião xenófoba, multiplicada por governos e meios a serviço dos inconfessáveis objetivos do imperialismo".

O conflito começou na tarde de sábado com um protesto em frente ao Comando Especial de Fronteira do Exército em Pacaraima. A manifestação havia sido convocada após um comerciante ter sido assaltado e agredido por quatro venezuelanos. A população também ficou irritada com a falta de uma ambulância para socorrer o comerciante, que foi atendido no hospital da cidade. Ele foi posteriormente transferido para Boa Vista e seu estado de saúde é estável.

"O fato gerou um descontentamento de alguns moradores de Pacaraima e, na manhã deste sábado, 18 de agosto, ocorreu uma manifestação com atos de violência e destruição de acampamentos de imigrantes situados em alguns locais públicos”, informou o comando da Operação Acolhida.

Após a manifestação se dispersar, grupos de brasileiros passaram a atacar venezuelanos nas ruas.

Uma tenda usada por imigrantes chegou a ser derrubada com um trator. Outras foram queimadas, Um grupo de brasileiros chegou a atirar pedras em venezuelanos que tentavam cruzar a divisa. Membros da guarda venezuelana acabaram disparando tiros de advertência para afastar os brasileiros. Em resposta, venezuelanos passaram a vandalizar carros de brasileiros na fronteira.

Em um vídeo divulgado no Twitter, um brasileiro que participou da queima de tenda disse "estamos expulsando os venezuelanos”. "Agora é desse jeito. Se não tem governante, se não tem autoridade por nós, nós que vamos fazer nossa autoridade. Fora venezuelanos!”

Com a grave crise política e econômica que atinge a Venezuela, centenas de milhares de pessoas têm deixado o país, a maior parte com destino à Colômbia e ao Equador. Entre 2017 e 2018, mais de 120 mil venezuelanos entraram em Roraima. Mais da metade deles já deixou o Brasil. Em julho, o governo brasileiro informou que quatro mil venezuelanos permaneciam em abrigos em Roraima.

JPS/abr/ots

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp

 | App | Instagram | Newsletter

Leia mais