Antes relutante, Trump recomenda vacina contra covid-19 | Notícias internacionais e análises | DW | 17.03.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Estados Unidos

Antes relutante, Trump recomenda vacina contra covid-19

Em rede nacional, ex-presidente diz que imunizante é seguro e pede a seus apoiadores adesão à campanha de vacinação. Um terço dos republicanos ainda reluta em se vacinar.

Donald Trump

"É uma vacina segura, e é algo que funciona", disse Trump à Fox News

O ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump recomendou, em entrevista em rede nacional transmitida na terça-feira (16/03), que os americanos ainda relutantes, sobretudo seus apoiadores, se vacinem contra a covid-19.

A declaração marca uma guinada na postura do ex-presidente, que sempre foi relutante em endossar a vacina de forma mais incisiva em público. Trump e sua esposa, Melania, foram vacinados em segredo em janeiro.

"Eu recomendaria, e recomendaria a muitas pessoas que não querem, e muitas dessas pessoas, falando francamente, votaram em mim", disse Trump, ao canal Fox News. "É uma vacina segura, e é algo que funciona."

Trump já havia declarado apoio à vacina antes, em 28 fevereiro, mas a um pequeno grupo de apoiadores num evento republicano. Na ocasião, ele disse: "Todo mundo: vão lá e se vacinem."

Pressão da Casa Branca por apoio à vacina

A declaração de Trump foi dada um dia depois de a Casa Branca sugerir que ele não deveria esperar por um "convite formal" para participar da campanha pública incentivando os americanos a se vacinar contra a covid-19.

"Todos os outros presidentes vivos participaram de campanhas públicas. Eles não precisaram de um convite formal para fazê-lo", disse Jen Psaki, assessora de imprensa do presidente Joe Biden.

Todos os ex-presidentes vivos, incluindo Barack Obama e George W. Bush, divulgaram declarações apoiando a campanha de vacinação do governo Biden.

O governo americano teme que a oposição à vacinação entre partes da população, se não for superada, possa atrasar os esforços dos EUA para conter a circulação do vírus e, em consequência, reativar a economia.

Não é o caso atualmente, mas especialistas do governo Biden acreditam que, se o ceticismo sobre a vacina não for revertido, em breve os EUA poderão estar diante de uma oferta de doses superior à demanda.

Pesquisa aponta que ainda há ceticismo com vacina 

Segundo uma pesquisa da CBS News, um terço dos republicanos diz que não vai se vacinar – 10% dos democratas afirmaram o mesmo. Além disso, outros 20% dos republicanos estão inseguros quanto à vacinação contra a covid-19. O resultado é similar ao de várias outras sondagens em nível nacional.

Protesto contra a vacinação em Nova York: ceticismo sobretudo entre republicanos

Protesto contra a vacinação em Nova York: ceticismo sobretudo entre republicanos

Os EUA ultrapassaram na última sexta-feira a marca de 100 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 aplicadas desde dezembro. Até agora, mais de 35 milhões de adultos foram imunizados no país mais afetado pela pandemia em todo o mundo.

Segundo Biden, em poucos dias os EUA devem atingir a marca de 100 milhões de doses aplicadas sob seu mandato – outras 16 milhões de doses foram aplicadas sob Trump. A marca era uma promessa de campanha e vai ser alcançada bem antes dos 100 dias de governo, como havia sido colocado como meta pelo novo presidente.

rpr/lf (AFP, ots)

Leia mais