Anistia aponta contradições no caso Marielle | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 14.11.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Anistia aponta contradições no caso Marielle

Relatório da organização de direitos humanos mostra possíveis incoerências no andamento das apurações e envolvimento de agentes públicos no assassinato. Entidade pede monitoramento independente da investigação.

Marielle Franco

Marielle e seu motorista foram assassinatos em 14 de março no Rio de Janeiro

Diante da falta de respostas para o assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, ocorrido há exatos oito meses no Rio de Janeiro, a Anistia Internacional apontou nesta quarta-feira (14/11) diversas informações contraditórias nas investigações, possíveis incoerências e dúvidas sobre o caso, ainda sem resposta.

Segundo o relatório da organização de direitos humanos, uma das contradições é o tipo de arma usado no crime. Inicialmente foi divulgado que era uma pistola. Depois, a informação foi corrigida e foi relatado o uso de uma metralhadora. Outro ponto, diz a ONG, é a falta de esclarecimentos sobre a origem e o desvio da munição que foi usada pelos assassinos.

"Desde a noite do assassinato foram divulgadas informações muito graves. Não podemos olhar todas essas informações isoladamente. O quadro geral aponta que as autoridades do sistema de justiça criminal parecem estar se esquivando de sua responsabilidade", afirma Renata Neder, coordenadora de pesquisa da Anistia Internacional no Brasil.

Como a investigação do assassinato continua sob sigilo da Justiça, o documento reuniu informações já veiculadas pela imprensa, que, segundo a Anistia, indicam um assassinato cuidadosamente planejado e com possível participação de agentes do Estado e das forças de segurança.

Entre os principais pontos a serem esclarecidos, de acordo com o relatório, estão o desligamento das câmeras de segurança do local do crime dias antes do assassinato; o desaparecimento de submetralhadoras do arsenal da Polícia Civil do Rio de Janeiro; e o desvio de munição de lote pertencente à Polícia Federal.

"Esse cenário de informações contraditórias, perguntas sem respostas e a possibilidade de que agentes do Estado estejam envolvidos no crime reforçam a necessidade de que seja estabelecido com urgência um mecanismo externo e independente para monitorar as investigações do assassinato de Marielle e Anderson", disse Neder.

Em entrevista publicada nesta quarta-feira pela DW Brasil, a viúva de Marielle, Mônica Benício, declarou que "o Brasil, hoje, deve satisfação ao mundo".

Chamado de "O labirinto do caso Marielle Franco", o relatório da Anistia Internacional pede ainda que a população se junte à campanha da organização e pressione as autoridades a apresentarem respostas.

Marielle, de 38 anos, e Anderson, de 39, foram assassinados em 14 de março no bairro do Estácio, região central do Rio, quando saíam de um evento no qual a vereadora palestrava. O carro foi alvejado por vários disparos, dos quais quatro atingiram a cabeça de Marielle.

As investigações sobre o crime – que levou multidões às ruas no mundo todo para manifestar solidariedade e cobrar explicações – seguem sob sigilo, embora uma série de informações tenha sido revelada pela imprensa brasileira.

Além de defender os direitos das mulheres e a inclusão social, Marielle criticava também a violência policial e a ação de milícias.

TR/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais