Alemanha se prepara para grandes protestos anticonfinamento | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 07.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Alemanha se prepara para grandes protestos anticonfinamento

Em Leipzig, no leste alemão, movimento Querdenken organiza manifestação de massa contra medidas do governo. Sob o pretexto de defender as liberdades constitucionais, o grupo reúne extremistas e teóricos de conspiração.

Manifestantes carregam cartaz com dizeres: Não a vacinações forçadas anticorona, Não ao 5G, Não à conexão humanos-IA

Protesto em Munique, setembro de 2020: "Não a vacinações forçadas anticorona, Não ao 5G, Não à conexão humanos-IA"

Manifestações contra as medidas de contenção da covid-19 são agora parte do panorama político da Alemanha. Porém quando começaram, em junho, muitos ficaram chocados ao ver dezenas de milhares de cidadãos reunindo-se regularmente em diversas partes do país, enquanto ganhava impulso o movimento conhecido como Querdenken 711 ("pensamento lateral", seguido do prefixo telefônico de Stuttgart, onde o grupo se formou).

Contando no momento com ramificações em mais de 50 cidades, o movimento alega, em seu site, ter como principal meta proteger os direitos assegurados na Lei Fundamental, a Constituição alemã, em especial as liberdades de opinião, expressão e reunião.

Mas os "querdenker" também se tornaram mais agressivos. "Estamos vendo um clima cada vez mais acalorado nos protestos do coronavírus", comentou à agência de notíciais DPA Martin Pallgen, porta-voz do Ministério do Interior da Alemanha. "Há sobretudo uma atitude mais forte, verbalmente mais agressiva, entre os negacionistas da pandemia em relação a policiais, manifestantes contrários e representantes da mídia."

Motivação questionável

Nas ruas, o movimento e manifestações relacionadas, organizadas por grupos menores, têm sido marcados por uma improvável aliança entre grupos marginais de extrema direita e extrema esquerda, além de um punhado de teóricos de conspiração. É comum os manifestantes se mostrarem seriamente desinformados quanto ao vírus e suspeitosos das medidas governamentais.

Seu comprometimento com a ordem democrática alemã também foi questionado no fim de agosto, quando alguns participantes de uma das maiores passeatas do Querdenken 711, reunindo 38 mil em Berlim, invadiram a escadaria do prédio histórico do parlamento, o Reichstag.

Apesar da breve histeria midiática em seguida ao incidente, desde então o movimento reverteu a protestos de menor escala por todo o país, ocasionalmente organizados por grupos aliados, em vez dos "querdenker" propriamente ditos.

Outro fator a considerar, claro, é que há alguns dias a Alemanha decretou novo confinamento parcial, com o fechamento de hotéis e locais de gastronomia, além de regras bem mais rigorosas em relação a aglomerações humanas.

A oposição a tais medidas se tornou mais difundida entre a população desde o primeiro confinamento coletivo, em março e abril. Para muitos, o medo inicial de se contaminar com o vírus Sars-Cov-2 deu lugar a temores quanto às consequências econômicas de uma paralisação prolongada.

Liberdades constitucionais versus coronavírus

É provável que essas novas circunstâncias estejam encorajando o movimento Querdenken 711, cujo próximo protesto em massa está programado para este sábado (07/11), em Leipzig. A polícia conta com a presença de mais de 20 mil manifestantes em mais de uma dezena de manifestações e contramanifestações espalhadas pela cidade no leste do país.

"Estamos nos preparando para um fim de semana bem agitado", disse à DW um porta-voz da polícia de Leipzig, acrescentando terem sido convocados reforços dos estados vizinhos e da Polícia Federal.

As novas normas permitem manifestações, mas apenas sob determinadas condições: todos devem usar máscaras, e as reuniões devem se manter no mesmo local, estando banidas as passeatas. Neste ínterim, a polícia local cuidou de enfatizar que a liberdade de reunião permanece sendo um importante direito constitucional, e que só intervirá em último caso – ou seja, havendo ameaças à segurança pública.

"Uma limitação total da liberdade de reunião é uma questão muito sensível na Alemanha, já a partir de sua história", observa um porta-voz da polícia, referindo-se ao autoritarismo que tomou conta do país sob o regime nacional-socialista, na década de 1930, assim como na Alemanha Oriental após a Segunda Guerra Mundial.

"A decisão de dispersar um protesto sempre cabe ao departamento municipal de ordem pública, não à polícia", acrescentou. "Ele toma as decisões e avalia as condições concretas in loco. Se todas as condições para dispersar um protesto são preenchidas e o órgão pode tomar essa decisão, então a polícia tem que agir."

Até o momento, a polícia não vê indicações de que possa eclodir violência em Leipzig, embora esteja registrada a provável presença de alguns grupos radicais.

Tendência de priorizar as liberdades

Mesmo perante a pandemia de covid-19 e as apreensões de saúde pública, é difícil para as autoridades proibir radicalmente os protestos. Nos últimos meses, algumas tentativas nesse sentido foram frustradas nos tribunais, cujo dever é proteger de violações constitucionais: em tais casos, os magistrados alemães tendem a tomar o partido dos direitos do povo.

Paulina Starski, pesquisadora associada do Instituto Max Planck de Direito Público Comparado e Direito Internacional, em Heidelberg, reconhece o perigo de que as autoridades usem as medidas de prevenção da covid-19 para restringir as liberdades constitucionais.

"As novas normas durante o confinamento radical levaram a uma situação em que a liberdade de reunião estava suspensa de fato", observou numa entrevista à DW, em agosto. Neste ínterim, no entanto, veredictos jurídicos permitindo manifestações restabeleceram o equilíbrio.

"É um problema básico da situação do coronavírus que muitos juristas constitucionais estão discutindo, porque houve uma necessidade política maciça de proteger a saúde da população", prosseguiu Starski. "Agora estamos, de certa forma, numa fase de revisão: diretrizes constitucionais estão sendo violadas? Porque, do ponto de vista da Lei Fundamental, a tendência é sempre proteger a liberdade."

Leia mais