Alemanha inicia temporada no Brasil com desejo de renovar sua imagem | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 14.05.2013

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Alemanha inicia temporada no Brasil com desejo de renovar sua imagem

Alemanha está mais aberta, internacional e descontraída, mas poucos brasileiros conhecem a nova imagem do país europeu, diz o presidente Joachim Gauck, em São Paulo.

Pouca gente sabe, mas Brasil e Alemanha têm uma "relação feliz". E, para derrubar os clichês comumente associados ao país europeu, o presidente da Alemanha, Joachim Gauck, inaugurou nesta segunda-feira (13/05) o Ano da Alemanha no Brasil, formalmente conhecido como Temporada Alemanha + Brasil 2013-2014.

"Convido as pessoas a encontrar a Alemanha sem preconceitos", disse Gauck, diante de uma plateia de convidados alemães e brasileiros, a maioria empresários, no Teatro Municipal de São Paulo.

Patrono do Ano da Alemanha ao lado do governo brasileiro, Gauck sublinhou que os dois países ainda têm muito o que aprender um com o outro e que podem crescer juntos, com base em valores comuns.

Horas antes, o presidente alemão também abrira, com a presidente Dilma Rousseff, a 31ª edição do Encontro Econômico Brasil-Alemanha, citando a democracia como valor comum, surgido após períodos de endurecimento político como a ditadura militar no Brasil, de 1964 a 1985, e a antiga divisão entre uma Alemanha capitalista e outra comunista, após a Segunda Guerra Mundial.

Pontos em comum

Gauck deixou clara, no discurso do Teatro Municipal, a intenção dos dois países de dar mais visibilidade à cooperação em vários setores – e que já existe há mais de cem anos. "A Volkswagen, por exemplo, já é vista por muitos brasileiros como uma antiga empresa nacional. E poucos sabem que um dos escritores mais renomados da Alemanha, Thomas Mann, atribuiu a veia artística à mãe, nascida no Brasil", disse Gauck, citando ainda o passado da imigração alemã no Brasil, que deixou traços como os nomes de cidades no sul do país, como Blumenau, Pomerode.

O presidente alemão também disse ter lido o livro Um brasileiro em Berlim, de João Ubaldo Ribeiro. Se escrevesse o livro hoje, Ribeiro talvez descrevesse o país europeu de outra forma, opinou o presidente. "A Alemanha ficou mais aberta, mais internacional, relaxou mais e gosta mais de si mesma, o que fez com que se abrisse mais para os outros", disse.

Por outro lado, Gauck disse desejar mais "coragem" dos alemães para essa abertura – apesar de, no plano econômico, o país sustentar a própria economia por pequenas e médias empresas "jovens e inovadoras". Tanto pelas empresas quanto pelas universidades, Alemanha e Brasil podem intensificar a cooperação, a exemplo da chamada "virada energética" que a Alemanha quer promover, diminuindo a produção de energia nuclear e aumentando a de energias renováveis.

A abertura oficial do Ano da Alemanha no Brasil foi encerrada com um concerto da orquestra internacional Young Euro Classic, com sede no país europeu. Apresentaram-se 35 jovens músicos brasileiros e 35 de várias nacionalidades, que tocaram obras de compositores clássicos alemães e brasileiros, como Brahms, Beethoven e Heitor Villa-Lobos. Parte dos jovens sairá em turnê por várias cidades brasileiras e irá à Alemanha. Gauck também inaugurou um caminhão pintado com figuras criadas pelo artista de street art berlinense Jim Avignon e pelo brasileiro Carlos Dias.

Theater Municipal in Sao Paulo Brasilien Eröffnung Joachim Gauck

Gauck (e) ao lado do presidente do Instituto Goethe, Klaus-Dieter Lehmann, no Theatro Municipal