Alemanha ganha novo patrimônio mundial | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 05.07.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Cultura

Alemanha ganha novo patrimônio mundial

Unesco aprovou a inclusão na lista de Speicherstadt, juntamente com Kontorhaus, situados em Hamburgo, em conferência anual de seu comitê, realizada em Bonn. País conta agora com 40 lugares reconhecidos pela entidade.

Speicherstadt: complexo de armazéns em estilo neogótico no rio Elba, conectados por canais, pontes e ruas

Speicherstadt: complexo de armazéns em estilo neogótico no rio Elba, conectados por canais, pontes e ruas

A Unesco aprovou neste sábado (05/07) a inclusão mais um lugar na Alemanha na lista de Patrimônio Mundial, durante a conferência anual de seu Comitê de Patrimônio Mundial, realizada este ano em Bonn, na Alemanha.

O Speicherstadt, em Hamburgo, se tornou o primeiro local da cidade no norte da Alemanha a entrar na lista e o 40º para o país. O lugar é um complexo de antigos armazéns de fachadas de tijolos, em estilo neogótico, construído entre 1885 e 1927 em um grupo de ilhas no rio Elba e conectados por canais, pontes e ruas.

A distinção também inclui o distrito vizinho Kontorhaus. Construído entre 1920 e 1940, é o primeiro bairro de escritórios da Europa e inclui edifícios como o Chilehaus e o Messberghof. "O título é uma grande oportunidade para incrementarmos o perfil cultural de Hamburgo a nível internacional", concluiu a secretária de Cultura da cidade alemã, Barbara Kisseler.

Uma segunda candidata alemã não foi incluída na lista, mas poderá voltar a se candidatar, que é a Catedral de Naumburg, cidade do leste da Alemanha, considerada um excelente exemplo de transição entre as arquiteturas românica e gótica.

A 39ª reunião do Comitê de Patrimônio Mundial, realizada entre 28 de junho a 8 de julho, incluiu nos últimos dias na lista de patrimônio lugares em Israel, Escócia, EUA, Jordânia, Jamaica, França, Iêmen, Dinamarca, China e Irã, entre outros.

MD/dpa/lusa/afp

Leia mais