Alemanha doará 30 milhões de doses de vacina contra covid-19 | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 07.07.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Alemanha doará 30 milhões de doses de vacina contra covid-19

Governo alemão separa parte dos imunizantes da AstraZeneca e da Johnson & Johnson que adquiriu para ajudar em campanhas de vacinação de outros países.

A Alemanha planeja doar, até o fim deste ano, pelo menos 30 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 a outros países.

A notícia foi divulgada nesta quarta-feira (07/07) pela agência de notícias alemã DPA, que teve acesso a um relatório interno do Ministério da Saúde.

As doses doadas serão da AstraZeneca e da Johnson & Johnson. Recentemente, o país decidiu priorizar as vacinas da BioNTech/Pfizer em seu programa nacional de imunização.

"É nosso interesse essencial vacinar o mundo", disse o ministro da Saúde alemão, Jens Spahn.

Dos 30 milhões de doses, 80% serão doados através do Covax, consórcio criado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pela GAVI Alliance para realizar uma distribuição igualitária de vacinas no mundo.

Até agora, o mecanismo distribuiu mais de 88 milhões de vacinas a 131 países, principalmente de baixa e média renda, entre eles o Brasil.

Cerca de 20% das doações alemãs deverão ser distribuídas por acordo bilateral. Até 3 milhões de doses serão destinadas aos países balcânicos, outras irão para a Namíbia e o Leste Europeu, a países como Armênia, Azerbaijão e Ucrânia.

A Alemanha está investindo mais de 2 bilhões de euros no programa Covax. O Ministério da Saúde vê a distribuição das vacinas como uma contribuição adicional significativa ao programa europeu de vacinação.

A União Europeia comprou mais 900 milhões de doses da vacina contra a covid-19 desenvolvida pela alemã BioNTech e produzida em parceria com a americana Pfizer. O acordo inclui a opção de compra de outros mais 900 milhões de doses.

O lote deverá ser entregue ao longo dos anos, até 2023, e se soma a 600 milhões de doses da vacina da Pfizer-BioNTech que já haviam sido adquiridas pelo bloco europeu. A imunização demanda duas doses da vacina.

rpr/ek (DPA)