Alemães protestam contra TTIP na véspera de visita de Obama | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 23.04.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Alemães protestam contra TTIP na véspera de visita de Obama

Dezenas de milhares vão às ruas de Hannover contra o planejado acordo comercial entre UE e EUA. Presidente americano inaugura feira na cidade ao lado da chanceler federal alemã, Angela Merkel.

Dezenas de milhares de pessoas protestaram neste sábado (23/04) em Hannover, no norte da Alemanha, contra o Acordo de Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP), que visa impulsionar as relações comerciais entre a União Europeia e os Estados Unidos.

Segundo os organizadores, 90 mil pessoas participaram da passeata. A polícia estimou o número de manifestantes em torno de 30 mil. Os atos também tiveram como alvo o Acordo Integral de Economia e Comércio (Ceta), entre a Europa e o Canadá. Os críticos temem que os tratados possam dar poderes demasiados às multinacionais, à custa dos consumidores e trabalhadores.

O protesto foi convocado por mais de 130 entidades não governamentais, sindicatos e organizações eclesiásticas de toda a Alemanha, por ocasião da visita do presidente dos EUA, Barack Obama. Ele abre na noite deste domingo a Feira de Hannover, juntamente com a chanceler federal alemã, Angela Merkel. Nesta segunda-feira, também começa em Nova York a 13ª rodada de negociações sobre o TTIP.

Obama defende acordo

Em sua mensagem de vídeo semanal, Merkel rejeitou neste sábado acusações de falta de transparência e defendeu o sigilo que cerca as negociações sobre o TTIP. Ela afirmou "nem sempre ser possível que as informações sejam acessíveis a todos" durante as negociações, alegando que os outros negociadores poderiam "obter determinados benefícios que não queremos".

Merkel assegurou, entretanto, que "os cidadãos não devem ficar com a impressão de que temos algo a esconder" ou de que a Europa está disposta a abrir mão de suas normas. Merkel frisou que tudo o que é norma no continente é garantido. "Nós não vamos retroceder em relação a nossos padrões", ressaltou a chanceler.

Antes de sua visita à Alemanha, Obama afirmou ao tabloide alemão Bild que o acordo comercial TTIP é "uma das melhores maneiras de promover o crescimento e criar empregos", afirmando que o acordo vai fortalecer o comércio e criar empregos nos Estados Unidos e na União Europeia.

Segundo sondagem publicada nesta semana, um em cada três alemães rejeita completamente o planejado acordo.

MD/afp/epd

Leia mais