Adeus ao Tegel | Colunas semanais da DW Brasil | DW | 26.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coluna Checkpoint Berlim

Adeus ao Tegel

Antigo aeroporto da capital alemã fechará as portas em 8 de novembro, com oito anos de atraso. Berlinenses lotam o local nos últimos dias para se despedir.

Vista do terraço do Tegel

Voo para Paris será o último a decolar do Tegel

Com oito anos de atraso, o aeroporto Tegel fechará suas portas definitivamente no dia 8 de novembro. Apesar da drástica redução do número de passageiros devido à pandemia, nas últimas semanas, o aeroporto andou bastante cheio. A grande movimentação era de berlinenses que resolveram se despedir do local.

Desde 3 de outubro é possível adquirir ingressos para visitar o terraço do Tegel e acompanhar as últimas decolagens e aterrissagens. A visitação vai até 8 de novembro, quando, exatamente às 15h, o último voo partirá do aeroporto em direção a Paris. A vontade de dizer adeus é grande. No momento, os ingressos para visitação estão esgotados.

Depois de anos de espera e atrasos, o Tegel finalmente será fechado, e o aeroporto Berlim-Brandemburgo (BER), inaugurado. Previsto para entrar em operação em 2011, o aeroporto, que era um dos maiores projetos de infraestrutura da Alemanha, teve que passar por diversas reformas antes mesmo de abrir as portas devido a erros no projeto ou ideias que não foram testadas, mas mesmo assim foram aplicadas e acabaram se revelando não tão brilhantes assim.

No início de 2012, praticamente pronto, veio o primeiro grande desastre: um complexo e moderno sistema de proteção contra incêndios não funcionou nos testes. Desde então, novos problemas surgiram. Estruturas inteiras precisaram ser refeitas, e houve várias trocas nos diretores do projeto. Cada novo anúncio de data de inauguração era visto com ceticismo.

No ano passado veio o anúncio definitivo, e, quase como um milagre, o novo aeroporto vai realmente abrir na data anunciada – após uma obra que custou mais de 6,5 bilhões de euros, ou seja, quase quatro vez mais do que o previsto.

Por ironia do destino, a inauguração ocorre num ano desastroso para o setor da aviação. A covid-19 deixou no chão aeronaves no mundo inteiro após o fechamento de fronteiras. Tegel, que recebeu 24 milhões de passageiros em 2019, ficou praticamente às moscas por meses, e até hoje o volume de passageiros é bem menor do que o registrado nos últimos anos. A pandemia também fez com que a festa de despedida do local fosse cancelada.

O fechamento do Tegel, inaugurado no início da década de 1970, trará paz aos moradores da região, que precisam conviver com o barulho constante de aviões.

Apesar de haver alguma resistência ao fechamento, a medida me parece acertada. Quem já voou por ali, sabe o desastre que era na alta temporada. O aeroporto vivia lotado. A última vez que viajei de lá foi um horror. Nos balcões das companhias, havia filas enormes, que ocupavam os corredores apertados do local. Na segurança, o mesmo cenário se repetia. Muita paciência era exigida. No desembarque, as malas demoravam muito tempo para chegar. Havia relatos de perdas de bagagem devido à desorganização e falta de espaço.

A grande vantagem do Tegel era sua localização, sem dúvida alguma. No meio da cidade, o acesso era rápido de ônibus, e também era possível chegar lá a qualquer hora do dia ou da noite com o transporte público. Já o BER, em Schönefeld, fica bem mais longe. Mas apesar da distância, tudo indica que o novo aeroporto trará mais conforto aos passageiros.

O antigo Tegel será transformado num campus universitário e deverá ainda abrigar indústrias e um novo bairro habitacional, onde devem construídas 5 mil moradias.

--
Clarissa Neher é jornalista da DW Brasil e mora desde 2008 na capital alemã. Na coluna Checkpoint Berlim, escreve sobre a cidade que já não é mais tão pobre, mas continua sexy. 

Leia mais