Adesão síria deixa EUA como únicos fora do Acordo de Paris | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 07.11.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

meio ambiente

Adesão síria deixa EUA como únicos fora do Acordo de Paris

Membro da delegação síria na COP23 sinaliza planos do país de assinar pacto climático global, o que deixaria os Estados Unidos como os únicos a rejeitar o documento.

Protesto às vésperas da COP23, em Bonn: manifestantes se vestem de Trump e ursos polares para defender proteção climática

Protesto às vésperas da COP23, em Bonn: manifestantes se vestem de Trump e ursos polares para defender proteção climática

A Síria anunciou nesta terça-feira (07/11) que planeja aderir ao Acordo de Paris sobre o clima, o que faria com que os Estados Unidos passassem a ser o único país fora do pacto.

O anúncio foi feito na 23ª Conferência do Clima da ONU (COP23), em Bonn, na Alemanha. Segundo uma representante síria, os procedimentos internos já foram concluídos para a assinatura do pacto.  

Leia também:

 Principais pontos do acordo de Paris sobre o clima

A conta das mudanças climáticas

Síria e Nicarágua eram os dois únicos países fora do acordo, alcançado no fim de 2015. A Nicarágua, que resistiu dois anos por considerar os termos do pacto insuficientes, cedeu em outubro passado e anunciou sua adesão.

Já a Síria estava fora do pacto não por criticá-lo, mas porque, em guerra civil desde 2011 e com vários membros do governo sob sanções europeias e americanas, não havia conseguido enviar representantes para as cúpulas climáticas internacionais.

O representante de Damasco em Bonn não deu detalhes sobre os planos sírios. Com a economia arruinada, o país produz uma fração ínfima das emissões globais, mas todas as nações signatárias apresentaram uma meta para cumprir o acordo.

Em junho, o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou que pretende retirar o país do pacto, ratificado por Barack Obama em 2015.

As regras, no entanto, estabelecem que a data mais próxima possível para um país se retirar é novembro de 2020, o que significa que os EUA ainda continuarão signatários até os últimos meses do mandato de Trump, ainda que ele não faça nada para alcançar as metas.

Com o Acordo de Paris, a comunidade internacional se comprometeu a limitar o aumento da temperatura ao teto de 2ºC em relação aos níveis da era pré-industrial e a continuar os esforços para limitar o aumento da temperatura a 1,5ºC.

O objetivo requer uma redução drástica das emissões dos gases causadores do efeito estufa, com medidas como economia de energia, maiores investimentos em energias renováveis e reflorestamento.

LPF/rtr/afp/ap/dpa

___________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais