A Sérvia não tem nada a perder | Siga a cobertura dos principais eventos esportivos mundiais | DW | 26.06.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Copa de 2018

A Sérvia não tem nada a perder

Só uma vitória contra o Brasil interessa. Mas sérvios reconhecem que não estão em sua melhor fase e que o desafio é enorme. Para vencer, time mais alto da Copa promete um jogo bastante físico – e muita bola aérea.

A seleção da Sérvia tem como característica o jogo físico, de muito contato e que oferece perigo no jogo aéreo

A seleção da Sérvia tem como característica o jogo físico, de muito contato e que oferece perigo no jogo aéreo

Sub-19, Sub-20, Sub-21... São tantas categorias de base que é fácil se confundir. Mas os fanáticos por futebol se lembrarão do torneio Sub-20 de três anos atrás – também porque não é todo dia que a Sérvia se torna campeã mundial.

Na final, uma das gerações mais talentosas do país dos Bálcãs derrotou justamente o Brasil, por 2 a 1. O gol decisivo foi marcado aos 13 minutos do segundo tempo da prorrogação.

Nesta quarta-feira (26/06) ocorre o reencontro de Gabriel Jesus e Sergej Milinković-Savić. Especula-se que o supertalentoso meio-campista da Lazio seja o próximo jogador a quebrar a marca de 100 milhões de euros.

Seus colegas da conquista da seleção Sub-20 passaram os dois primeiros jogos da Copa do Mundo de 2018 no banco de reservas, o que surpreende especialmente no caso do habilidoso Andrija Živković, que atua pelo Benfica.

E isso diz muito sobre esta seleção da Sérvia. Trata-se mais de empenho do que de arte. Só assim os sérvios foram capazes de se classificar para o Mundial na primeira colocação de seu grupo nas Eliminatórias. E só assim, espera-se timidamente na Sérvia, será possível derrotar o Brasil e despachar os pentacampeões mundiais para casa.

Pontos fortes e fracos

"As chances residem na nossa superioridade física e nos duelos aéreos", afirma o renomado jornalista esportivo sérvio Boris Jovanović, em entrevista à DW. Ele se refere ao fato de os sérvios, com a média de 185,6 cm, serem a seleção mais alta da Copa.

Fußball WM 2018 Gruppe E Costa Rica - Serbien

O capitão Aleksandar Kolarov marcou numa cobrança perfeita de falta o único gol do jogo de estreia, contra a Costa Rica

As esperanças estão depositadas nos lances de bola parada – na estreia, a seleção sérvia derrotou os costarriquenhos com uma exímia cobrança de falta de Aleksandar Kolarov – e em Aleksandar Mitrovic, o corpulento atacante do Fulham que consegue duelar tranquilamente mesmo com adversários fisicamente mais fortes, como Thiago Silva e Miranda.

"Esta geração conseguiu fazer frente em duelos contra equipes que, como o Brasil, têm muita posse de bola", diz Jovanović. "Também joga melhor sem pressão, quando não há nada a perder. O problema é que um ponto só não serve, e eles terão que abrir a retaguarda em algum momento."

E, para isso, a seleção sérvia não tem mão de obra suficiente. Nemanja Matić, o único jogador de nível mundial no elenco e um dos queridinhos de José Mourinho no Manchester United, não foi suficiente contra a tropa multicultural suíça, quando era preciso pressionar e manter a posse de bola.

O atacante Dušan Tadić, do Southampton, tem as assistências entre suas qualidades, mas ele tem sido obrigado a ajudar demais na marcação. Os proeminentes laterais Kolarov e Branislav Ivanović não são mais tão jovens e não conseguem mais subir e voltar constantemente.

Russland WM 2018 l Serbien vs Schweiz – Tor 1:0 Jubel Aleksandar Mitrovic

Na seleção mais alta da Copa, o centroavante trombador Aleksandar Mitrović se destaca por seu porte físico e jogo aéreo

Os torcedores são realistas

Essas fraquezas são também a razão pela qual os torcedores estavam comedidos antes da Copa do Mundo: a premissa era lutar e evitar constrangimentos. Mas nem sempre foi assim, pois os torcedores sérvios estão acostumados com a conquista de medalhas – basquete, vôlei ou polo aquático.

No passado, o ambiente colérico também incluía o futebol – primeiramente expectativas muito altas, depois decepção profunda e, por fim, xingamentos aos jogadores.

Lendárias são as palavras do ex-treinador da seleção sérvia Ilija Petković, antes da Copa do Mundo de 2006 na Alemanha: "Não posso prometer que seremos campeões do mundo. Mas também não posso prometer que não nos tornaremos campeões mundiais".

E também desta vez, o clima foi quente e ficou pesado depois da vitória na estreia, contra a Costa Rica. O duelo com a Suíça passou a ter caráter de jogo decisivo, ao menos segundo a imprensa.

Isso ocorreu principalmente porque quatro jogadores titulares da seleção suíça são descendentes de albaneses, algo que foi lembrado nas comemorações dos gols de Granit Xhaka e Xherdan Shaqiri – com as mãos, eles formaram a águia de duas cabeças, o símbolo estampado na bandeira da Albânia.

Na Sérvia, que ainda não reconhece a secessão da província do Kosovo, habitada por albaneses, as reações às provocações dos jogadores suíços foram acirradas. A Fifa investigou o incidente e puniu Xhaka e Shaqiri com uma multa de 10 mil francos suíços, além de 5 mil francos suíços para o lateral Stephan Lichtsteiner, que participou das celebrações.

Após a derrota para a Suíça, a Associação de Futebol da Sérvia (FSS) também reclamou ostensivamente do desempenho do árbitro alemão Felix Brych. Como resultado, o treinador da Sérvia, Mladen Krstajić, e o presidente da Associação de Futebol da Sérvia (FSS) também receberam multas de 5 mil francos suíços.

Krstajić chegou a afirmar que Brych "deveria ser mandado ao Tribunal Internacional de Haia", corte que sentenciou diversos sérvios por crimes contra a humanidade. A FSS terá de pagar 54 mil francos suíços como punição por cânticos e cartazes discriminatórios de torcedores no estádio.  

As reclamações veementes ocorreram por causa de um lance específico, no qual dois defensores suíços seguraram e derrubaram Mitrović dentro da área – o árbitro de vídeo não entrou em cena nem sugeriu ao árbitro de campo rever a jogada.

Russland WM 2018 l Serbien vs Schweiz 1:1

O lance polêmico em Mitrović que gerou muita reclamação dos sérvios e, agora, obriga a seleção sérvia a vencer o Brasil

O empate não deve bastar

A derrota merecida contra os suíços desencadeou um clima de lamentação pública – agora, a Sérvia terá de derrotar o Brasil para continuar na Copa. Matematicamente, um empate seria suficiente para a seleção sérvia apenas se a Suíça perder de goleada para a já eliminada Costa Rica – um cenário extremamente improvável. 

Detalhe: todos saberão antes dos jogos a classificação final do Grupo F e se a Alemanha terminou em primeiro ou em segundo lugar – ou se foi eliminada. Caso a Alemanha se classifique na segunda colocação, seria mais oportuno para os brasileiros conseguir um ponto contra a Sérvia e deixar a Suíça jogar as oitavas de final contra os atuais campeões do mundo. Mas jogar pelo empate contra a Sérvia também seria perigoso.

Antes do jogo decisivo, a seleção sérvia recebeu a visita do famoso ator Dragan Jovanović, um ídolo na Sérvia. Ele deu um discurso de motivação à equipe. "Quem ainda escreve a história contra a Suíça? A história agora é escrita contra o Brasil."

Nemanja Rujević é jornalista sérvio do Departamento para o Sudeste Europeu da DW. 

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App |Instagram

Leia mais