No sufoco, Brasil passa pela Costa Rica | Fique informado sobre tudo o que acontece na Copa do Mundo | DW | 22.06.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Copa de 2018

No sufoco, Brasil passa pela Costa Rica

Novamente diante de uma retranca, Seleção mostra dificuldades para furar bloqueio e só consegue sua primeira vitória no Mundial nos acréscimos. Em vários momentos, time se mostrou sem alternativas de jogo.

Símbolo da partida: ao fim do jogo, Neymar se ajoelhou e caiu no choro

Símbolo da partida: ao fim do jogo, Neymar se ajoelhou e caiu no choro

Com um primeiro tempo sonolento e um segundo tempo nervoso e com pouca estruturação, o Brasil arrancou uma vitória por 2 a 0 contra a Costa Rica, nesta sexta-feira (22/06), em São Petersburgo. Os gols foram marcados por Philippe Coutinho, aos 46, e Neymar, aos 51 minutos do segundo tempo. Com a vitória, a seleção brasileira soma quatro pontos no Grupo E, encerrando uma sequência de três jogos sem vitórias em Mundiais.

Ao contrário da estreia contra a Suíça, o primeiro tempo da Seleção foi apático e até certo ponto preocupante, por não encontrar meios de furar a disciplinada defesa costarriquenha. O Brasil foi novamente inoperante contra uma retranca, além de ter demonstrado uma cautela excessiva, certamente justificada pelo preocupante cenário em caso de derrota. Com mais posse de bola, a Seleção até dominou o meio-campo, mas não encontrou espaços para executar passes mais incisivos.

Na bacia das almas: Coutinho comemora gol que encaminhou a vitória

Na bacia das almas: Coutinho comemora gol que encaminhou a vitória

Inicialmente, a Seleção tentou chegar pela direita com Willian e Fagner, que entrou no lugar do lesionado Danilo e foi a única mudança de Tite em relação à estreia, mas sem sucesso. O Brasil encontrou mais espaços pelo lado esquerdo, com Marcelo e Philippe Coutinho. Embora tenha sido novamente caçado em campo, Neymar voltou a exagerar na individualidade e dá a impressão de falta de ritmo de jogo. E também no segundo jogo, o craque da companhia ficou bem abaixo do que era esperado.

A vitória brasileira veio na base da insistência, mas mostrou pouca criatividade ou meios para furar o ferrolho costarriquenho. Peça-chave no esquema de Tite, Paulinho teve pouca participação na criação e deixou de ser um elemento surpresa nas investidas ofensivas. Substituído no segundo tempo, pode perder a vaga contra a Sérvia. Gabriel Jesus, além disso, ainda não mostrou a que veio.  

O jogo

Embora precisasse da vitória, a Costa Rica se posicionou extremamente retraída, com uma linha de cinco defensores e quatro no meio-campo. A seleção brasileira teve dificuldades em penetrar a defesa costarriquenha, mas manteve a calma na troca de passes. Mas a melhor oportunidade foi dos Ticos, com uma finalização de Celso Borges rente ao poste de Alisson, após bela triangulação nas costas de Marcelo.

A seleção centro-americana, por sinal, começou melhor e, por mais que tivesse menos posse de bola, chegou com mais qualidade à área adversária. Os lances mais agudos do Brasil se resumiram a bolas paradas e cruzamentos altos. Aos 25 minutos, Gabriel Jesus até chegou a balançar as redes, mas o impedimento foi corretamente assinalado pela arbitragem.

Neymar para em Navas: até os acréscimos, foi essa a rotina

Neymar para em Navas: até os acréscimos, foi essa a rotina

A partir do gol anulado, a seleção brasileira se soltou mais e começou a pressionar mais a Costa Rica. Neymar, Coutinho e Marcelo tentaram finalizações de média distância, mas sem direção. No entanto, nos últimos 15 minutos do primeiro tempo a Seleção voltou a tirar o pé do acelerador e não chegou nenhuma vez na área adversária.

No intervalo, Tite sacou Willian e promoveu a entrada de Douglas Costa. A alteração trouxe pouco impacto no jogo – a armação das jogadas seguia nos pés de Casemiro, Paulinho ou Coutinho. Mas ao menos a Seleção entendeu que a melhor maneira de penetração são triangulações ao redor da área. Aos 4 minutos, Gabriel Jesus acertou uma cabeçada no travessão e, na sequência, um defensor tirou praticamente em cima da linha a finalização de Coutinho. Aos 11 minutos, Navas espalmou chute de Neymar.

Aos 22 minutos, Tite tirou Paulinho e colocou Roberto Firmino. Mas o Brasil seguiu produzindo pouco. Aos 27 minutos, Neymar teve grande chance, mas caprichou demais na finalização. Aos 35 minutos, o árbitro marcou pênalti para o Brasil, mas voltou atrás após rever a jogada num monitor. Este foi o primeiro pênalti a ser anulado pelo VAR. Na repetição, fica claro que Neymar é encostado, mas não o suficiente para cair. Dalí em diante, o jogo virou uma batalha.

Quando tudo caminhava para o primeiro empate sem gols da Copa do Mundo de 2018, Coutinho surgiu como salvador da pátria e fuzilou Navas, após belo pivô de Gabriel Jesus, aos 46 minutos. Ainda deu tempo de Neymar completar, aos 51 minutos, a assistência de Douglas Costa. Após o apito final, Neymar caiu no choro.   

Com o resultado, a Costa Rica está eliminada da Copa de 2018 e não terá como repetir a façanha de 2014, quando chegou às quartas de final. O Brasil encerra sua participação na fase de grupos contra a Sérvia, em 27 de junho, em Moscou.

Aos 51 do segundo tempo: Neymar comemora com Douglas Costa

Aos 51 do segundo tempo: Neymar comemora com Douglas Costa

Ficha técnica

Brasil 2 x 0 Costa Rica

Local: Estádio Krestovsky, em São Petersburgo

Arbitragem: Bjorn Kuipers (Holanda), auxiliado por seus compatriotas Sander van Roekel e Erwin Zeinstra.

Gols: Philippe Coutinho (46'/2T), Neymar (51'/2T)

Cartões amarelos: Neymar (36'/2T), Philippe Coutinho (36'/2T), Johnny Acosta (39'/2T)

Brasil: Alisson; Fagner, Thiago Silva, Miranda e Marcelo; Casemiro, Paulinho (Roberto Firmino 22'/2T) e Philippe Coutinho; Willian (Douglas Costa intervalo), Neymar e Gabriel Jesus (Fernandinho 47'/2T). Técnico: Tite.

Costa Rica: Keylor Navas; Johnny Acosta, Giancarlo González, Óscar Duarte, Cristian Gamboa (Francisco Calvo 29'/2T) e Bryan Ovieda; Celso Borges, David Guzmán (Yeltsin Tejeda 37'/2T), Bryan Ruiz e Johan Venegas; Marcos Ureña (Christian Bolaños 9'/2T). Técnico: Óscar Ramírez.

-----------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram

Leia mais