A escola alemã de grandes goleiros | Colunas semanais da DW Brasil | DW | 05.03.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coluna Halbzeit

A escola alemã de grandes goleiros

Na Alemanha, uma geração de ouro segue outra debaixo das traves, praticamente sem interrupção. Como se explica isso? Clubes e federação não medem esforços para investir desde cedo em jovens talentos.

Stegen e Neuer: estrelas da atual geração de goleiros

Stegen e Neuer: estrelas da atual geração de goleiros

Ao contrário do que muitas vezes acontece em outros países considerados potências do futebol mundial, na Alemanha o técnico da seleção, ao convocar o seu elenco, não se vê confrontado com o problema da falta de um excelente goleiro. O último homem da Mannschaft tem sido um mestre no seu ofício – uma maestria que em alguns casos beira à genialidade, diga-se de passagem. Uma geração de ouro segue outra, praticamente sem interrupção. Como se explica isso?

Para começar, é importante ressaltar que a garotada tem exemplos heroicos nos quais pode se espelhar. São goleiros que, no decorrer da história do futebol alemão, se transformaram em ícones a serem imitados e seguidos.

Talvez não seja exagero dizer que tudo começou com Toni Turek, um dos heróis do "Milagre de Berna", aquela partida épica que, para surpresa do mundo esportivo, deu o primeiro título de campeão mundial à Alemanha. Turek, por sua atuação contra a Hungria, acabou sendo exaltado pelo lendário locutor Herbert Zimmermann ainda durante o jogo: "Toni, você é o Deus do Futebol"!  

Toni Turek, um dos heróis do Milagre de Berna, em partida contra a Turquia na Copa de 1954

Toni Turek, um dos heróis do "Milagre de Berna", em partida contra a Turquia na Copa de 1954

E o que falar de Bert Trautmann? Foi prisioneiro de guerra no Reino Unido e se tornou ídolo na terra da rainha. Jogou 15 anos pelo Manchester City (1949 a 1964) e era considerado um dos melhores goleiros do mundo. Entrou definitivamente para a história quando, mesmo com a coluna cervical fraturada, continuou em campo na final do FA Cup de 1956 e garantiu a vitória e o título por 3 a 1 diante do Birmingham City.  

Logo após a Copa do Mundo de 1966, começava a era Sepp Maier que, na final contra a Holanda em 1974, se transformou numa muralha intransponível para os jogadores holandeses integrantes da Laranja Mecânica.  Sua atuação contra a Holanda de Cruyff naquela final entrou definitivamente para a história do futebol. No seu clube, Bayern Munique, acumulou oito títulos nacionais e cinco internacionais. Impressionante!

A lista é longa e pode facilmente ser complementada com Bodo Illgner (campeão mundial em 1990) e seu sucessor Andreas Köpke (campeão europeu em 1996 e atual treinador de goleiros da seleção).

Logo surgiria um legítimo herdeiro da escola bávara de grandes goleiros: Oliver Kahn seguia as pegadas de Sepp Maier sendo eleito o melhor goleiro do mundo em três oportunidades. Era um titã que defendia com unhas e dentes (algumas vezes literalmente) o seu território à frente do gol.

Quanto à atual geração de goleiros alemães, pode-se dizer tranquilamente que o técnico Joachim Löw tem um problema de luxo. Em fins de março começa a fase eliminatória da Eurocopa 2020, e logo de cara a Alemanha terá um compromisso difícil fora de casa contra a Holanda.

Sepp Maier, com a taça de campeão do mundo: muralha contra a Laranja Mecânica

Sepp Maier, com a taça de campeão do mundo: "muralha" contra a Laranja Mecânica

Para Löw, se existe uma posição no time titular com a qual ele não precisa se preocupar é a posição de goleiro. Tem dois craques à disposição: Manuel Neuer e Ter Stegen.      

Fato é que, na Alemanha, de forma geral, um goleiro goza de maior prestígio esportivo e social do que em muitos outros países. Desde cedo, nos times de base, quem vai para o gol não é apenas aquele que não serve para outra posição.

A expressão ainda comum no Brasil ("Desgraçado é o goleiro, até onde ele pisa não nasce a grama") não tem equivalente no futebol alemão. Pelo contrário. Tem garotos que desde pequenos já anunciam aos quatro ventos com muito orgulho: "Quando eu crescer, quero ser goleiro".    

Consequentemente, a maioria dos clubes profissionais capricha na formação dos seus goleiros desde os times infantis. O capricho é tanto que hoje se fala abertamente numa "escola alemã de goleiros". São organizados congressos e simpósios direcionados especificamente para goleiros e seus técnicos.

Os clubes realizam acampamentos de férias para crianças que sonham em seguir as pegadas dos grandes goleiros do futebol mundial e lá aprendem as primeiras lições do seu futuro ofício com ex-goleiros, seja da Nationalmannschaft ou, ao menos, em clubes da Bundesliga.

Os resultados destes esforços estão à vista de todos. Há décadas, a Alemanha é um celeiro de goleiros da mais alta qualidade. No país, a máxima de que bons ataques ganham jogos e boas defesas ganham campeonatos é levada a sério.

Levam tão a sério que investem na formação dos seus jovens goleiros. Sabem que boas defesas começam com excelentes goleiros.

--

Gerd Wenzel começou no jornalismo esportivo em 1991 na TV Cultura de São Paulo, quando pela primeira vez foi exibida a Bundesliga no Brasil. Desde 2002, atua nos canais ESPN como especialista em futebol alemão. Semanalmente, às quintas, produz o Podcast "Bundesliga no Ar". A coluna Halbzeit sai às terças. Siga-o no TwitterFacebook e no site Bundesliga.com.br

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp 

App | Instagram | Newsletter

Leia mais