1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Passageiros se informam sobre testes para covid-19 no aeroporto de Schiphol
História da ômicron na Holanda não começou com o surto de casos em dois voosFoto: Eva Plevier/REUTERS

Ômicron chegou à Europa antes do que se imaginava

1 de dezembro de 2021

Amostras coletadas na Holanda dias antes de surtos em voos da KLM vindos da África do Sul e de primeiro caso na Bélgica comprovam que a variante já estava no continente há mais de dez dias.

https://www.dw.com/pt-br/%C3%B4micron-chegou-%C3%A0-europa-antes-do-que-se-imaginava/a-59985621

O Instituto de Saúde Pública da Holanda (RIVM) anunciou nesta terça-feira (30/11) ter identificado a variante ômicron em amostras coletadas em 19 e 23 de novembro, vários dias antes da detecção do surto de 14 casos em dois voos vindos da África do Sul, em 27 de novembro, e antes mesmo de a variante ser notificada pela África do Sul à Organização Mundial da Saúde (OMS), no dia 24.

De acordo com o RIVM, os testes PCR então realizados indicaram uma reação especial, apontando para uma anomalia na proteína spike do vírus Sars-Cov-2, o que levantou a suspeita de que se tratava de casos da variante e indicou a necessidade de análises aprofundadas.

O RIVM comunicou ter entrado em contato com as pessoas afetadas para iniciar investigações sobre as circunstâncias do contágio. Uma dessas duas pessoas não viajou para o sul da África, por isso provavelmente contraiu o vírus na Holanda, segundo a virologista Chantal Reusken, do RIVM.

Casos anteriores à notificação

Até o momento, Holanda, Bélgica e Alemanha são os três países europeus que reportaram casos de infecções pela ômicron ocorridas antes de a descoberta da variante ser notificada à OMS, em 24 de novembro.

Mas é provável que outros países também encontrem casos mais antigos da ômicron à medida que retestarem amostras guardadas.

O primeiro país europeu a comunicar um caso da nova variante foi a Bélgica, no dia 26 de novembro, onde uma pessoa testou positivo no dia 22. Ela apresentou os sintomas da covid-19 11 dias depois de viajar para o Egito com escala na Turquia.

Na Alemanha, as autoridades informaram que uma pessoa que testou positivo para a ômicron chegou ao aeroporto de Frankfurt no dia 21 de novembro. O paciente, totalmente vacinado, apresentou sintomas ao longo da semana e então testou positivo.

Surto em dois voos da KLM

Na sexta-feira passada, 624 passageiros que estavam em dois voos da KLM vindos da África do Sul foram submetidos a testes de detecção do novo coronavírus ainda no aeroporto de Schiphol, em Amsterdã. Destes, 61 resultados foram positivos, e em 14 dos casos a infecção era causada pela ômicron.

O RIVM detalhou que foram detectados diferentes tipos de estirpes de vírus da variante ômicron. Isso significa que essas 14 pessoas infectadas foram provavelmente infectadas separadamente, de uma fonte diferente e em locais diferentes

Acreditava-se que esses 14 casos fossem os primeiros em solo holandês, mas nesta terça-feira foi verificado que a variante já estava circulando no país uma semana antes de os dois voos chegarem a Amsterdã.

Restrições para viajantes

Na sexta-feira passada, o governo da Holanda decretou a proibição do tráfico aéreo com diversos países do sul do continente africano.

Além disso, foi solicitado que cerca de 5 mil passageiros que chegaram da África do Sul, Botsuana, Lesoto, Moçambique, Namíbia, Suazilândia e Zimbábue realizassem testes, independentemente de apresentarem sintomas da covid-19 ou estarem vacinados.

Os países do sul da África passaram a ser classificados pelo Executivo holandês como áreas de muito alto risco, o que obriga todos os que vierem da região a realizar período de quarentena.

Antes de a existência da ômicron se tornar conhecida, a Holanda já lidava com um forte aumento das infecções com a variante delta e um aumento da pressão hospitalar, o que levou à introdução de um "bloqueio noturno" no país, com o fechamento de toda atividade não essencial a partir das 17h todos os dias.

A Organização Mundial da Saúde afirmou que ômicron representa um risco global muito elevado. A nova variante tem um grande número de mutações, mas ainda não está claro se ela é de fato mais transmissível e quais os efeitos dela na imunidade humana e na severidade da doença covid-19.

as/lf (Efe, AFP, OTS)