Vale quer retirada responsável da operação em Moçambique | Moçambique | DW | 16.08.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Vale quer retirada responsável da operação em Moçambique

A empresa mineira brasileira Vale assegurou ao Governo moçambicano que "quer sair de Moçambique de forma responsável", deixando ativos e mão-obra com valor competitivos.

A garantia foi dada pelo diretor global do Carvão da empresa Vale, Paulo Couto, durante um encontro com o ministro dos Recursos Minerais e Energia de Moçambique, Max Tonela.

"A Vale assegurou-nos que não quer uma saída precipitada e está a trabalhar por um processo de desinvestimento e por uma solução o menos lesiva possível para os interesses de todas as partes", adiantou a fonte.

 Paulo Couto disse que a empresa está a analisar propostas de seis companhias interessadas em ficar com os ativos em Moçambique, na sequência da decisão de desinvestimento que a firma brasileira tomou, no âmbito da aposta na neutralidade em relação aos combustíveis fósseis.

 Mosambik, Moatize: Anwohner protestieren und blockieren Vales Kohlenbergwerk

Um protesto contra a Vale em Tete. As comunidades reclamam, entre outras coisas, dos danos ambientais que as prejudicam

Operação competitiva

Apesar de estar de saída de Moçambique, a empresa quer deixar uma operação competitiva, estando empenhada em incrementar a sua produção de carvão na província moçambicana de Tete, centro do país, dos atuais 11 milhões de toneladas para 20 milhões de toneladas no próximo ano.

 O carvão é um dos principais produtos de exportação de Moçambique e a Vale emprega cerca de 8.000 pessoas, perto de 3.000 trabalhadores próprios e os restantes subcontratados.

 A Vale justifica a sua saída com o objetivo de ser neutra ao nível das emissões de carbono até 2050 e reduzir algumas das suas principais fontes de poluição daquele tipo até 2030.

O boom do carvão em Moçambique

Leia mais