União Africana suspende República Centro-Africana | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 25.03.2013

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

União Africana suspende República Centro-Africana

A República Centro-Africana (RCA) está novamente suspensa da União Africana, após o derrube do poder, no domingo (24.03), do Presidente François Bozizé pelos rebeldes Séléka. Bangui já tinha sido suspensa da organização.

Michel Djotodia é quem comanda agora a RCA

Michel Djotodia é quem comanda agora a RCA

Ramtane Lamamra, Comissário para a Paz e Segurança da União Africana (UA) anunciou esta segunda-feira (25.03) que a sua organização “exige o respeito pelos acordos de Libreville e disposições transitórias para a governação do país bem como a restauração imediata da ordem constitucional na República Centro-Africana.”

A organização pan-africana tomou ainda outra decisão, de acordo com Lamamra: “Impor proibições de viajar a sete dirigentes da Séléka, a começar pelo senhor Michel Djotodia, chefe da rebelião e cujos bens foram congelados".

A medida anunciada pela União Africana tem efeito imediato, numa altura em que os Estados Unidos da América, a França e o Chade apelavam ao chefe dos rebeldes da coligação Séléka, Michel Djotodia, que se proclamou novo Presidente centro-africano, a respeitar o acordo de partilha do poder rubricado em janeiro último em Libreville, capital do Gabão.

O Presidente que fugiu do país, François Bozizé

O Presidente que fugiu do país, François Bozizé

Comunidade internacional exige reposição da legalidade

Por seu turno, a União Europeia qualificou de "inaceitável" a mudança "pela força" do Governo centro-africano, tendo também lançado aos protagonistas um apelo ao diálogo com vista a pôr termo à crise que provocou a fuga do Presidente François Bozizé.

Este, segundo a presidência em Yaoundé, encontra-se nos Camarões, à procura de um país terceiro onde irá solicitar asilo. Antes, informações contraditórias davam como paradeiro de François Bozizé, a República Democrática do Congo.

Entretanto, Michel Djotodia é agora o homem forte do país, depois da rebelião ter derrubado do poder François Bozizé, um Presidente que também chegara ao poder em 2003, através das armas.

Os rebeldes da Séléka assumiram o controle da capital Bangui sem encontrar grandes resistências, para além de soldados sul-africanos dos quais 13 foram mortos, segundo anunciou o Presidente sul-africano Jacob Zuma, na manhã desta segunda-feira (25.03) em Joanesburgo, numa conferência de imprensa.

O Séléka lançou uma forte ofensiva em janeiro último contra uma aldeia onde está estacionada a força regional africana, FOMAC

O Séléka lançou uma forte ofensiva em janeiro último contra uma aldeia onde está estacionada a força regional africana, FOMAC

Intervenção militar sul-africana questionada

O analista político Claude Kabemba, que reside em Pretória, África do Sul, questiona a intervenção militar sul-africana: “Porque soldados sul-africanos morrem em defesa de um regime tão corrupto, ditatorial e sem bases sólidas no seio da população?”

E as interrogações de Claude Kabemba vão ainda mais longe: “Esses soldados estavam naquele país para também proteger os interesses económicos sul-africanos? E quem tira benefícios económicos principalmente no sector mineiro?”

Enquanto isso, a capital do país, Bangui, permanece calma com a imposição de um recolher obrigatório, enquanto os habitantes se interrogam sobre os custos dos prejuízos ocorridos com as pilhagens perpetradas na véspera.

Patrice Zemoniako, jornalista centro-africano, relatou aos microfones da DW África: “Antes de chegar a Bangui a Séléka deveria ter tomado como precaução todas as medidas para manter a segurança das pessoas e dos bens na capital. Nada foi feito nesse sentido e agora é o que se vê, tudo roubado e muitas pilhagens.”

Pessoas à volta de um veículo dos rebeldes nas proximidades de Bangui no último fim de semana

Pessoas à volta de um veículo dos rebeldes nas proximidades de Bangui no último fim de semana

Intenções de diálogo

O novo chefe de Estado, Michel Djotodia já prometeu respeitar o acordo de paz, anunciou a manutenção na função o atual primeiro-ministro Nicolas Tiangaye e marcou a realização das eleições dentro dos próximos três anos.

Um dos dirigentes próximos de François Bozizé, Fidéle Ngoudjika, ex-ministro da Agricultura do seu Governo já manteve contacto com Djotodia e garante: “Tive a honra de ser recebido por ele e disse-me que não há caça às bruxas e que quer dialogar com todos.”

Fidéle Ngoudjika, por seu lado, também manifesta disponibilidade do Governo deposto: “Estamos também prontos a dialogar tendo em vista a estabilidade da República Centro-Africana e da sua população e não por interesses egoístas.”

Mas o primeiro-ministro Nicolas Tiangaye declinou qualquer declaração sobre os últimos desenvolvimentos da situação no seu país: “Não faço declarações, obrigado.”

Autor: António Rocha / AFP / Reuters
Edição: Nádia Issufo / Renate Krieger

União Africana suspende República Centro-Africana

Leia mais