Umaro Sissoco está há um ano no poder na Guiné-Bissau | Guiné-Bissau | DW | 18.11.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Umaro Sissoco está há um ano no poder na Guiné-Bissau

Foi a 18 de novembro de 2016 que Umaro Sissoco tomou posse como primeiro-ministro da Guiné-Bissau. Um ano depois, o país continua sem Orçamento de Estado aprovado e a oposição continua a exigir a sua demissão.

O executivo tomou posse a 18 de novembro de 2016, após a assinatura, em outubro do mesmo ano, do Acordo de Conacri, baseado no roteiro de seis pontos assinado em Bissau, dois meses antes.

Esta semana, e à margem da sua participação na Conferência das Nações Unidas sobre o Clima (COP 23), Umaro Sissoco afirmou, em entrevista à DW África, que "já não vale a pena falar do Acordo de Conacri”, uma vez que quem não o está a cumprir é o Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC). O primeiro-ministro guineense teceu fortes críticas à liderança deste partido e deixou claro que, na sua opinião, a solução para a crise na Guiné-Bissau está dentro do próprio país. "A solução interna é a melhor solução”, afirmou Umaro Sissoco, acrescentando que "a única forma é sentarmo-nos numa mesa como irmãos e bons filhos da Guiné para ultrapassarmos esta crise”.

O Acordo de Conacri pretendia pôr fim à crise política instalada na Guiné-Bissau, depois de o chefe de Estado, José Mário Vaz, ter demitido das funções de primeiro-ministro Domingos Simões Pereira, líder do PAIGC, vencedor das legislativas de 2014.

Guinea-Bissau Umaro Sissoco und José Mário Vaz (DW/B. Darame)

Umaro Sissoco e José Mário Vaz na tomada de posse do governo, em novembro de 2016

O objetivo, tanto do roteiro de Bissau, como do Acordo de Conacri era a criação de um Governo consensual integrado por todos os partidos políticos com assento parlamentar e a nomeação de um primeiro-ministro de consenso e da confiança do chefe de Estado, bem como a reintegração no PAIGC de um grupo de deputados expulsos. No entanto, o Acordo de Conacri acabou por vir adensar a crise política na Guiné-Bissau, quando o Presidente decidiu nomear Umaro Sissoco Embaló para primeiro-ministro.

Segundo uma parte dos signatários do acordo, o nome escolhido para primeiro-ministro terá sido o de Augusto Olivais, mas o chefe de Estado não gostou e nomeou um chefe de executivo que reúne o apoio da maior parte dos deputados do parlamento, que está encerrado.

Protestos repetem-se

Entretanto, a comunidade internacional continua a apelar ao entendimento e ao cumprimento do Acordo de Concari. Nas ruas, repetem-se os protestos da oposição. Na quinta-feira (16.11), uma manifestação em Bissau acabou por ser dispersada pela polícia, que utilizou gás lacrimogéneo. Pelo menos 10 pessoas ficaram feridas e 14 foram detidas.

Guinea-Bissau Anti Regierungs Protest (DW/A. Kriesch)

Manifestação contra o governo de José Mário Vaz, Março de 2017

Na sexta-feira (17.11), a oposição voltou a sair à rua, não se tendo registado qualquer incidente. Milhares de pessoas protestaram entre a Chapa de Bissau, na avenida que liga o centro da cidade ao aeroporto nacional, até à União Desportiva Internacional de Bissau (UDIB), junto à Praça dos Heróis Nacionais, onde fica situada a Presidência da República guineense.  Na ocasião, Nuno Nabian, presidente da Assembleia do Povo Unido - Partido Democrático da Guiné-Bissau, afirmou que a manifestação de quinta-feira foi uma "vitória da democracia". "Mostrámos ao Jomav (forma como é tratado o Presidente guineense, José Mário Vaz) que não temos medo de ninguém”, afirmou.

Na mesma ocasião, Domingos Simões Pereira, presidente do PAIGC, voltou a insitir que "este Governo não vai organizar eleições, porque não foi escolhido pelo povo para nada".

Enquanto a crise política se adensa e provoca cada vez mais divisões na sociedade guineense, o Governo de Umaro Sissoco Embaló tem recolhido apoios do Fundo Monetário Internacional (FMI), do Banco Mundial e de outras instituições financeiras internacionais.

Pode aceder à entrevista do primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco, no Facebook da DW África.

Leia mais

Links externos

Áudios e vídeos relacionados