Ucranianos na Polónia: A difícil fuga à invasão russa | NOTÍCIAS | DW | 02.03.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Ucranianos na Polónia: A difícil fuga à invasão russa

Cada vez mais pessoas tentam fugir da Ucrânia para os países vizinhos. A ONU contabiliza já mais de 836.000 refugiados. A DW acompanhou a chegada de um grupo de ucranianos a uma estação de comboios na Polónia.

Estamos na fronteira da Polónia com a Ucrânia. Cada vez mais refugiados chegam aqui, à estação de comboios de Przemysl, do lado polaco. Esta é a última paragem do comboio que vem da cidade de Lviv, no oeste da Ucrânia. Os cidadãos ucranianos e outros que vivem na Ucrânia fogem da invasão russa. Passam muitas horas no caminho.

"É difícil sair. Muito difícil. Especialmente para as crianças pequenas. Mas conseguimos, de alguma forma, e estamos aqui. Estou contente pelas crianças, mas preocupada pelos meus familiares que decidiram ficar na Ucrânia", conta Lilya, uma jovem ucraniana que conseguiu chegar ao país vizinho.

A Polónia já acolheu mais de 540 mil refugiados desde o início do conflito, na semana passada. A maioria são mulheres, crianças e idosos. Homens ucranianos entre os 18 e 60 anos não podem sair do país, porque vigora a lei marcial. Os que chegam culpam o Presidente russo, Vladimir Putin, por trazer a guerra de volta para a Europa.

"Estamos muito gratos ao povo polaco, que está a ajudar os ucranianos. Mas Putin é um homem doentio. Há alguma coisa de errado com ele. Se fosse esperto, não teria começado uma guerra, estamos a viver no século XXI", lamenta Anna.

Ukraine-Krieg | Polen Przemysl Flüchtlinge

Pavilhão com camas para acolher os refugiados ucranianos em Przemysl

Compaixão e medo

A estação de comboios está atarefada, mas há pessoas a tentar ajudar em todo o lado. Os voluntários dão aos refugiados comida, água, sumos e coisas que possam ser úteis - fraldas, pasta de dentes, papel higiénico. Num pavilhão, há camas preparadas para os ucranianos descansarem e passarem a noite.

Fora da estação, há voluntários que oferecem boleias a quem chega e levam os refugiados até Katowice, Cracóvia ou Berlim. Marcin é um deles: "Posso dar boleia a três pessoas, por exemplo, uma mulher e duas crianças. Sou capaz e estou disposto a ajudar".

A Polónia está bem preparada para a enchente de pessoas. Há várias semanas que estão a ser preparados os centros de ajuda. Natalia Kertyczak trabalha num desses centros: "Se estas pessoas não têm família para tomar conta delas, são registadas quando chegam. O Governo já organizou transporte para elas. Podem também ficar aqui durante a noite, ou pelo tempo que quiserem", explica.

A guerra fica a apenas alguns quilómetros de distância. As pessoas aqui estão conscientes disso. Para muitos, a compaixão para com os refugiados mistura-se com o medo do que poderá vir depois.

5 informações falsas da guerra na Ucrânia

Leia mais