Ucrânia: Rússia ataca Azovstal apesar do cessar-fogo prometido | NOTÍCIAS | DW | 05.05.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Ucrânia: Rússia ataca Azovstal apesar do cessar-fogo prometido

Exército ucraniano acusa forças russas de atacarem unidades que defendem o complexo siderúrgico de Azovstal, em Mariupol, no dia em que deveria começar o cessar-fogo anunciado por Moscovo para retirar civis do local.

O exército ucraniano afirmou que as forças russas "estão a tentar destruir" os últimos defensores da fábrica siderúrgica de Azovstal, em Mariupol, apesar de a Rússia ter anunciado um cessar-fogo a partir da manhã desta quinta-feira (05.05).

"Os ocupantes russos estão a atacar e a tentar arrasar as unidades ucranianas no território de Azovstal", disse o exército ucraniano, em comunicado divulgado esta manhã, acrescentando que Moscovo "retomou a ofensiva, com o apoio de aviões, para assumir o controlo da fábrica".

A denúncia do exército ucraniano foi feita poucas horas depois de o Kremlin (Presidência russa) ter anunciado, na quarta-feira à noite, que as suas forças iam cumprir um cessar-fogo durante três dias consecutivos, a partir das 05h00, para permitir a retirada dos cerca de 200 civis ainda presentes em Azovstal, como referiu o presidente da câmara de Mariupol, Vadim Boitchenko.

"Combates violentos e sangrentos"

O comandante do regimento Azov, Denys Prokopenko, que lidera a defesa do local, indicou, por sua vez, num vídeo divulgado na noite de quarta-feira, que as forças russas conseguiram entrar na siderúrgica e ali travaram "combates violentos e sangrentos".

"Desde há dois dias que o inimigo está dentro das instalações da fábrica", admitiu no vídeo divulgado na rede de mensagens Telegram. "Estou orgulhoso dos meus soldados porque estão a fazer esforços sobre-humanos para resistir ao ataque do inimigo. Estou grato ao mundo inteiro pelo colossal apoio dado à guarnição de Mariupol. Os nossos soldados merecem", acrescentou.

BG Ukraine Krieg Azovstal Evakuierung

Retirada de civis de Mariupol

A fábrica de Azovstal, um enorme complexo siderúrgico atravessado por redes subterrâneas, tem sido o último reduto de resistência dos combatentes ucranianos contra o exército russo em Mariupol, cidade onde se situa um porto estratégico. A rendição ou captura destes militares seria uma importante vitória para Moscovo.

Esforços para retirar civis

O autarca Vadim Boitchenko também pediu esta quinta-feira a continuação da retirada de civis da cidade, realizadas com a ajuda das Nações Unidas e da Cruz Vermelha Internacional. "Estamos a lutar juntos para salvar cada pessoa, cada morador de Mariupol", assegurou.

Os combates continuam bastante acesos noutras partes do país, sobretudo no leste da Ucrânia, onde, segundo o governador da região de Donetsk, se registou um ataque a uma área residencial de Kramatorsk durante a noite que provocou 25 feridos civis.

O exército russo referiu que esse ataque tinha como alvo um posto de comando ucraniano e dois armazéns militares situados no aeródromo da cidade.

Assistir ao vídeo 02:42

Uma vitória contra a guerra

Leia mais