Tio Yado: ″Sou o humor em pessoa″ | Moçambique | DW | 06.03.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Tio Yado: "Sou o humor em pessoa"

Com mais de 120 mil seguidores no Youtube, o humorista Tio Yado é um dos jovens moçambicanos do momento nas redes sociais. Partilhando vídeos humorísticos desde o Niassa, o Tio Yado arranca gargalhadas além-fronteiras.

A partir da província mais esquecida de Moçambique, Niassa, o Tio Yado consegue arrancar gargalhadas além-fronteiras. Faz humor com uma naturalidade tal, que o próprio se assume como o humor em pessoa. Os seus personagens, na sua maioria humildes, conquistam seguidores em vários países, como Angola, Guiné-Bissau, Portugal e Brasil.

Em entrevista à DW África, o jovem do momento nas redes sociais diz ter "nascido humorista" e fala um pouco do seu percurso profissional.

DW África: Quem é o Tio Yado?

Tio Yado (TY): Sim, o Tio Yado é um jovem criativo, humorista, uma pessoa que gosta de divertir o povo moçambicano. Não só o moçambicano, agora a missão é alegrar o povo africano.

DW África: Sabe que tem admiradores em outros países de língua portuguesa, como Angola, Guiné-Bissau...

TY: Sim. Nestes últimos dias, tenho-me admirado. Estou a receber muito elogios de fora, da Guiné-Bissau, Angola, Portugal, Brasil... estou a começar a notar isso agora. Tive um feedback maior depois de ter publicado um vídeo onde, sem querer, citei alguns países. Depois de gravar aquele vídeo recebi muitas chamadas e elogios e descobri que sou seguido em muitos países de fora.

DW África: Sempre foi humorista ou isto foi algo que surgiu mais tarde na sua vida?

TY: Posso dizer que quase nasci humorista, porque desde pequeno que eu fazia brincadeiras. Os meus amigos até me diziam: "Tio Yado agora é a tua vez" e eu falava para eles se divertirem. Naquele momento, eu não sabia o que estava a fazer, mas depois entrei também para a rádio para apresentar um programa infantil e passado pouco tempo o diretor chamou-me para dizer que viu em mim um talento para criar mini dramas e teatros para a rádio. Foi assim que comecei a fazer alguns trabalhos, mas parei. Em 2018, comecei a trabalhar já mesmo como profissional desta área de humor.

DW África: Como passou da sua arte de representar à ideia de filmar e partilhar nas redes sociais?

TY: Um dia eu estava no Facebook e deparei-me com um texto engraçado que adorei. Na altura eu era produtor de vídeo, e depois de ver aquele texto, decidi ir filmá-lo como peça de teatro. Depois partilhei-o em grupos do Whatsapp e comecei a receber um feedback que não esperava. Comecei então a procurar mais textos e a criar um público. Mais tarde, comecei a criar os meus próprios conteúdos e faço-o até hoje.

DW África: E pensa em parar?

TY: Não não. Eu vivo do humor, eu sou humor, se parar acho que vou matar algo dentro do meu corpo.

DW África: Consegue viver dos rendimentos dos seus vídeos humorísticos? 

TY: Essa é a parte mais difícil. Até agora consigo pagar as despesas das pessoas que trabalham comigo. Nós, artistas, temos uma responsabilidade muito grande. Cada vez que o nosso nome se expande, também a responsabilidade aumenta. O rendimento que eu consigo como Tio Yado não cobre a despesa.

DW África:  Tem outra fonte de rendimento?

TY: Antes eu era comerciante, vendia peixe seco, mas depois deixei essa atividade para sobreviver do humor. Até agora consigo-me aguentar, com um patrocinador [Paulino Mangueze], que cobre as despesas.

Assistir ao vídeo 03:55

Netkanema: Uma plataforma só com cinema "made in" Moçambique

Leia mais