Teodorin Obiang recorre da sentença de prisão da justiça francesa | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 04.11.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Teodorin Obiang recorre da sentença de prisão da justiça francesa

Teodorin Obiang, vice-presidente da Guiné-Equatorial, recorreu nesta sexta-feira (03.11) da sentença de três anos de prisão com pena suspensa por corrupção, entre outros crimes, disse à agência EFE um dos seus advogados.

Teodorin Obiang, de 48 anos, vice-Presidente e filho do Presidente da Guiné Equatorial, apresentou o recurso no Tribunal de Recurso de Paris. Foi condenado, no passado dia 27 de outubro, a três anos de prisão com pena suspensa por ter construído de modo fraudulento em França um património "considerável".

O governante equato-guineense, que não compareceu no tribunal correcional de Paris que o julgou, foi considerado culpado de branqueamento de capitais, abuso de bens sociais, desvio de fundos públicos, abuso de confiança e corrupção.

Teodorin foi condenado ainda a uma multa de 30 milhões de euros que só terá de pagar caso cometa mais algum crime em França.

Bens confiscados

Schweiz Autos von Teodorin Obiang Nguema konfisziert (picture-alliance/dpa/L. Gillieron)

Duas ferraris de Teodorin Obiang foram confiscadas

Os bens de Teodorin Obiang - adquiridos através de lavagem de dinheiro - foram confiscados e totalizam mais de 100 milhões de euros. São 18 veículos de luxo, obras de arte avaliadas em mais de 16 milhões de euros, jóias cujo valor estimado é de dez milhões de euros, além de um bem imobiliário com uma superfície de 2.835 metros quadrados.

A defesa do dirigente argumentou, nas alegações finais, em julho, que o julgamento em França é "uma ingerência nos assuntos de um Estado soberano" e que esteve repleto de "ofensas, calúnias, insultos e injúrias".

A Guiné Equatorial foi descoberta por portugueses e é uma antiga colónia espanhola que aderiu, em 2014, à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

O Governo é acusado por várias organizações da sociedade civil de constantes violações dos direitos humanos e perseguição a políticos da oposição.

Leia mais