Sul de Angola: ″Deslocados da fome″ estão a fugir para a Namíbia | Angola | DW | 02.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Sul de Angola: "Deslocados da fome" estão a fugir para a Namíbia

Muitas famílias estão a atravessar a fronteira em busca de segurança alimentar na Namíbia. São conhecidos como "deslocados da fome". No sul de Angola, a população está no "limiar de um desastre humanitário".

A fome na província angolana do Cunene é partilhada entre as famílias sempre que não há alimentação, diz o padre Gaudêncio Félix, da organização não governamental Ame Naame Omunu (ANO) – que trabalha com comunidades locais. 

Este prelado católico revela ainda que, nessa altura, a situação "é preocupante".   

"Preocupante, não só para aquelas pessoas que não tinham comida, já. Mas a fome também está a ser partilhada com outras famílias. Há famílias que abandonaram as suas aldeias, que abandonaram as suas casas e que foram acolhidas por outras famílias. E, assim, elas vão partilhando a fome. Vão partilhando a comida que estiver em casa," descreve.

Na Huíla, vive-se a mesma situação. O padre Pio Wakussanga, da ONG Construindo Comunidades, não encontra palavras para descrever a situação da fome na zona assolada também pela praga do gafanhoto.   

"Então, isso faz com que a maior parte dessa região toda, esteja, agora num limiar de um desastre humanitário," avalia.

Ainda assim, a fome na região sul, ainda não atingiu o seu pico, acrescenta.  

"É verdade que as pessoas já estão a sofrer, já está a morrer gente. Mas a fome ainda não chegou no seu pico. Grande momento é partir de setembro, outubro, novembro e dezembro," considera.

Muitas famílias da Huíla e do Cunene atravessam a fronteira de Santa Clara, a principal porta de entrada e saída terrestre do país, em busca de segurança alimentar na vizinha Namíbia. Em Angola, são chamados "deslocados da fome". O padre Gaudêncio, duvida que estas famílias regressem a Angola algum dia.  

"É lá onde estão a sobreviver, é lá onde estão a ser acolhidas pelos nossos irmãos namibianos, é lá onde estão a encontrar a sobrevivência. E duvidamos que todos esses nossos irmãos que estão a ir para a Namíbia regressem," considera o responsável da ANO.

Bonn Padre Jacinto Pio Wacussanga aus Angola

Padre Pio Wacussanga

Solidariedade

Para ajudar os cidadãos do sul, muitas organizações levam a cabo ações de angariação de bens não perecíveis.   

Na semana passada, por exemplo, lançou-se em Luanda a campanha "Um Abraço Solidário” – uma iniciativa das empresas de comunicação social públicas e privadas. O jornalista Sebastião Lino, da Rádio Nacional de Angola (RNA), é membro da campanha.  

"As zonas mais afetadas pela seca e pela estiagem no sul de Angola serão as primeiras beneficiadas, nomeadamente, Cuando Cubango, Cunene, o Namibe e a Huíla," revela.

Salgueiro Vicente jornalista angolano da Rádio Eclésia, afeta à Igreja Católica, louva a iniciativa, mas diz que não vai resolver o problema do fundo: a fome.  

"Porque as ajudas que estão a ser feitas agora são residuais, são ajudas circunstanciais. Vão, eventualmente, ajudar no momento, mas depois essas pessoas vão sofrer," acredita.

Então, por onde passaria a solução deste problema que assola milhares de famílias desde 2011?  

O padre Gaudêncio Félix é de opinião que a solução não passa pelas "respostas paliativas. Enviar dois, quatro sacos de arroz, de fuba e distribuir às populações, não. É tempo de se encontrar soluções viáveis, sustentáveis e duráveis".

É preciso investir naquilo que a comunidade faz, afirma Gaudêncio.  

"Se a própria comunidade sobrevive da agricultura, então é preciso reforçar e apoiar essa comunidade na agricultura. Se a comunidade vive de pesca, então é preciso apoiar essa comunidade nesse sentido. Se as pessoas se alimentam de massango, então não vale a pena lhes levar arroz, procurem massango," enumera.

Trockenheit im Süden Angolas

Seca severa no sul de Angola

É tempo de agir

Por sua vez, o padre Pio Wakussanga aconselha o Governo central a decretar estado de calamidade pública, a armazenar cereais para fazer face aos meses mais críticos que se avizinham e "aproveitar todas as linhas de água superficiais, assim como as reservas subterrâneas, para se incentivar a pequena agricultura".

Por isso, o jornalista Salgueiro Vicente sugere alocar mais verbas e a realização de um estudo nas zonas afetadas.  

"Mas, sobretudo, estabelecer um estado de emergência na região sul do país e fazer-se, sobretudo, um estudo que é fundamental para se aferir quantas pessoas passam por necessidades, quantas pessoas passam fome", conclui.

Assistir ao vídeo 01:51

Luanda: Demolição de mais de 500 casas atira dezenas de famílias para a rua

Leia mais