Sudão em rota de colisão com a ONU e cada vez mais próximo da Rússia | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 25.04.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Sudão em rota de colisão com a ONU e cada vez mais próximo da Rússia

O diálogo democrático no Sudão, seis meses após o golpe de Estado, está em risco. O Governo militar tem como novo alvo a missão da ONU no país e apresenta-se cada vez mais próximo de um aliado de longa data: a Rússia.

O general Mohammed Dagalo (dir.) encontrou-se com o chefe da diplomacia russa, Sergey Lavrov (esq.), a 24 de fevereiro

O general Mohammed Dagalo (dir.) encontrou-se com o chefe da diplomacia russa, Sergey Lavrov (esq.), a 24 de fevereiro

Seis meses após o golpe militar, que acabou por afastar o primeiro-ministro Abdalla Hamdok e pôr em funções um Governo militar, o Sudão encontra-se novamente numa encruzilhada.

A probabilidade é cada vez maior de que o processo democrático liderado pela ONU esteja prestes a terminar, e com ele as esperanças da sociedade civil de um Governo sem liderança militar.

Em resposta a um discurso recente de Volker Perthes, o chefe da Missão Integrada de Assistência à Transição das Nações Unidas no Sudão, o general Abdel-Fattah Burhan, e outros membros militares, têm apelado a uma "jihad" (luta) contra Perthes, e ameaçaram "expulsar o representante especial da ONU" do país.

Perthes tinha afirmado que "na ausência de um acordo político para regressar a uma via de transição aceite, a situação económica, humanitária e a de segurança estão a deteriorar-se".

Sudan politische Krise | Abdel Fattah al-Burhan

O general Abdel-Fattah Burhan, e outros membros militares, ameaçaram expulsar o representante especial da ONU do país

A ONU apelou oficialmente que termine o "discurso do ódio" no país.

A verdadeira razão por detrás destas discussões acaloradas está a tornar-se cada vez mais evidente. Enquanto os militares do Sudão estão a virar as costas a qualquer possível caminho democrático sob a liderança da ONU, o país tem vindo a aproximar-se silenciosamente do seu aliado autocrático, a Rússia.

Laços políticos e económicos

Nos anos que antecederam a invasão da Ucrânia, o Sudão e a Rússia renovaram os seus laços políticos e económicos.

"De facto, após a cimeira de Sochi com Vladimir Putin em 2017, o ditador de longa data do Sudão, Omar al-Bashir, afirmou que o Sudão se tornaria a chave da Rússia para África", disse Mohammed Elnaiem, um ativista sudanês com sede em Londres, à DW.

Em 2017, os acordos entre o Sudão e a Rússia incluíam a criação de uma base naval russa no Mar Vermelho - um plano que está agora a ganhar ímpeto -, e permitir que uma subsidiária russa do famoso empreiteiro privado Wagner Group exportasse ouro para a Rússia.

Sudan | Ariab Goldmine

Exportações de ouro não registradas para a Rússia ajudaram a aliviar as sanções internacionais

Segundo várias bases de dados, o ouro constitui cerca de 45% do total das exportações do país, oscilando entre 26 e 30 toneladas por ano. Os negócios estão a prosperar, uma vez que as exportações de ouro foram excluídas das sanções internacionais que se seguiram à expulsão de al-Bashir em 2019.

Vários relatórios têm sugerido um aumento das exportações de ouro não registado para a Rússia em aviões privados. Segundo o jornal britânico The Telegraph, o ouro do Sudão ajudou a Rússia a atenuar os efeitos das sanções internacionais na sequência da guerra na Ucrânia.

Politicamente, o Sudão e a Rússia estão também a aproximar-se cada vez mais.

A 24 de fevereiro - o dia em que começou a invasão russa da Ucrânia - Mohammed Hamdan Dagalo, também conhecido como Hemeti, chefe das Forças de Apoio Rápido e vice-presidente do conselho militar no poder, manteve conversações em Moscovo com altos funcionários do Governo russo, incluindo o Ministro dos Negócios Estrangeiros Sergey Lavrov.

"O facto de Hemeti ser um representante do regime sudanês está a causar grande preocupação na sociedade civil, mas presumivelmente também nas forças armadas", diz Christine-Felice Röhrs, da Fundação Friedrich Ebert na capital sudanesa, Cartum, à DW.

Ambas as fações temem, muito provavelmente, que o Sudão possa voltar a cair no mesmo isolamento internacional que assistiu durante o regime de al-Bashir, entre 1993 e 2019.

"Os laços potencialmente mais estreitos com a Rússia fizeram soar o alarme", explica Röhrs.

Sudan Khartum | Mohamed Hamdan Dagalo

Mohammed Hamdan Dagalo, também chamado de Hemeti, teria laços estreitos com o Grupo Wagner da Rússia

Como Theodore Murphy, diretor para África no Conselho Europeu das Relações Externas, salientou, "Hemeti tem cortejado os russos de forma mais agressiva e eles têm respondido muito positivamente a essas aberturas".

Embora os militares sob a liderança do general Burhan tenham agora receio de serem ultrapassados por Hemeti, Murphy está convencido de que Burhan também estaria aberto a trabalhar com o Kremlin.

Por isso, Murphy vê a sociedade civil como a única "verdadeira proteção contra a influência russa no Sudão, porque a sua ideologia opõe-se a qualquer tipo de papel para a Rússia".

Sociedade sem aliados

Entretanto, a situação para os 45 milhões de sudaneses está a tornar-se cada vez mais difícil. Desde o golpe de outubro, centenas de manifestantes foram mortos pelos militares.

Também os constantes aumentos de preços, as sanções internacionais e a suspensão do financiamento internacional pelo Banco Mundial e pelo Fundo Monetário Internacional de 2 mil milhões de dólares (1,95 mil milhões de euros) em ajuda agravaram a situação.

Segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) e o Programa Alimentar Mundial, os efeitos do conflito, da crise económica e das más colheitas irão provavelmente duplicar o número de pessoas que enfrentam fome aguda no Sudão para mais de 18 milhões de pessoas até setembro.

Sudan | Protest in Khartoum gegen die Militärregierung

A sociedade civil tem se manifestado por uma liderança democrática sem os militares

"Uma garrafa de 10 litros de água potável custa hoje três vezes mais do que há seis meses. Um pacote pequeno de frango custa o dobro. O preço do gasóleo também duplicou, e o do açúcar até triplicou. Num dos países mais pobres do mundo, tudo isto está a tornar-se uma questão de sobrevivência", lamenta Röhrs.

No entanto, nos últimos seis meses, os sudaneses têm vindo a sair diariamente às ruas, apelando a um Governo civil e cantando "Militares, voltem para o quartel".

"Para o povo sudanês, não há maneira de haver uma transição para a democracia no Sudão com os militares envolvidos", sublinha Elnaiem.

É por isso que não apoia a pressão de Perthes para o diálogo, apesar de este ter apelado a um processo democrático. "A sua tentativa é forçar-nos a negociar e, através da negociação, basicamente capitular perante a junta militar e o golpe", justifica.

O ativista descarta um futuro em que a sociedade civil do Sudão pudesse alguma vez aceitar um aumento da influência da Rússia.

"Vamos ter de lutar contra todos aqueles que tentam impedir o povo sudanês de chegar ao ponto de ter um Estado democrático e civil", conclui.

Leia mais