Sissoco Embaló: ″Militares guineenses devem deixar de ser vistos como maus″ | NOTÍCIAS | DW | 06.06.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Sissoco Embaló: "Militares guineenses devem deixar de ser vistos como maus"

Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, defende que militares do país devem deixar de ser vistos "como maus e assassinos".

Präsident von Guinea-Bissau, Umaro Sissoco Embaló

Foto de arquivo.

O Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, defendeu neste domingo (06.06) que os militares guineenses devem deixar de ser vistos "como maus e assassinos, que não são", quando presidia à entrada nas Forças Armadas de 211 novos elementos.

Uma fonte militar avançou à agência de notícias Lusa que são militares treinados na República Popular do Congo e que hoje juraram a bandeira da Guiné-Bissau. Os 211 novos militares, dos quais 21 são mulheres, serão colocados no batalhão do Palácio da Presidência. 

No seu discurso em crioulo, Sissoco Embaló pediu os novos militares para que assumam o compromisso de garantir a integridade e soberania do país, afastando-se do jogo político.

Guinea-Bissau Präsident Umaro Sissoco Embaló

Umaro Sissoco Embaló (foto de arquivo).

"Recuperar sentimento de orgulho"

O chefe de Estado guineense disse que de agora em diante os militares "devem recuperar o sentimento de orgulho" aos guineenses.

Embaló voltou a exortar os militares a afastarem-se do jogo político e anunciou que, com a sua liderança, "nunca mais" os militares "serão utilizados para ascender ao poder". 

Umaro Sissoco Embaló lembrou o conflito político-militar de 07 de junho de 1998-99 que terminou com a deposição do então presidente guineense João Bernardo 'Nino' Vieira, por uma junta militar. 

"Os militares foram utilizados, mataram-se uns aos outros, destruímos o nosso país em vão, isso não pode voltar à acontecer no nosso país", defendeu.

Assistir ao vídeo 03:02

Guerra de 7 de junho deixou marcas na alma e na memória dos guineenses

Leia mais