Sissoco Embaló condena ″tentativa de golpe″ na Guiné-Bissau | Guiné-Bissau | DW | 01.02.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Sissoco Embaló condena "tentativa de golpe" na Guiné-Bissau

Homens armados dispararam tiros de bazuca e rajadas de metralhadora, forçando a entrada na sede do Governo. Várias pessoas morreram. Presidente Sissoco Embaló garante que situação foi controlada.

Tiros de bazuca e rajadas de metralhadora foram ouvidos esta terça-feira (01.02) à tarde no Palácio do Governo da Guiné-Bissau, onde decorria um Conselho de Ministros. Tanto o primeiro-ministro, Nuno Gomes Nabiam, como o chefe de Estado, Umaro Sissoco Embaló, estavam no interior do edifício.

Várias pessoas morreram e várias ficaram feridas. As principais vias de Bissau foram cortadas. Os soldados guineenses montaram barreiras num perímetro de 500 metros à volta do Palácio do Governo. As rádios fecharam as portas por motivos de segurança. 

Mas, ao fim da tarde, "as forças de defesa e segurança conseguiram impedir este atentado à democracia", afirmou Sissoco Embaló.

Em comunicado, a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) condenou a "tentativa de golpe de Estado". De acordo com Sissoco Embaló, tratou-se de um "ato bem preparado e organizado e que poderá também estar relacionado com gente relacionada com o tráfico de droga".

A União Africana disse estar bastante preocupada com a situação na Guiné-Bissau. O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, apelou ao "respeito pelas instituições democráticas".

Guinea Bissau Wahlen Wahl-Kampagne

Palácio do Governo da Guiné-Bissau (foto de arquivo)

O país "não merece isto", desabafou o Presidente da República durante uma comunicação à Nação, esta terça-feira à noite. E rejeitou quaisquer responsabilidades: "Sou um homem de paz, contra a violência".

Embaló, que durante o ataque foi retido no Palácio do Governo, juntamente com o primeiro-ministro, garante agora que a situação está "sob controlo".

Ao minuto:

21:42 CET: Terminamos por aqui este acompanhamento ao minuto. A informação sobre a Guiné-Bissau continuará a ser atualizada na página principal da DW África.

21:33 CET: Comunidade dos Países de Língua Portuguesa condena "veementemente" a tentativa de golpe de Estado na Guiné-Bissau: "A Presidência em exercício da CPLP saúda a firme resposta das autoridades nacionais encabeçadas pelo Presidente Umaro Sissoco Embaló que levou ao restabelecimento da ordem, e apela à acalmia e tranquilidade", lê-se num comunicado.

21:18 CET:  Sissoco Embaló garante que, neste momento, está tudo sob controlo. E faz um apelo: "Peço à população para estar serena".

Guinea-Bissau | Unruhen | Soldaten in Bissau

Soldados patrulham as ruas de Bissau após tentativa de golpe de Estado

21:16 CET: "A Guiné-Bissau não merece isto", afirmou Sissoco Embaló. "Sou um homem de paz, contra a violência". Segundo o chefe de Estado guineense, "as forças de defesa e segurança conseguiram impedir este atentado à democracia", um "ato bem preparado e organizado".

21:06 CET: Sissoco disse que as Forças Armadas estão de parabéns. Saudou também o apoio do povo da Guiné-Bissau, que saiu à rua após a sua libertação. Mas o país "está de luto", sublinhou o Presidente da República.

21:03 CET: Sissoco confirma que se tratou de uma tentativa de golpe falhado. Não se sabe quem está por detrás dos incidentes; refere apenas que se tratou de um "ato isolado" de pessoas suspeitas de envolvimento no tráfico de droga na Guiné-Bissau.

Sissoco Embaló: "Há muitos mortos"

21:01 CET: Numa comunicação à Nação esta terça-feira à noite, Sissoco Embaló denunciou que um grupo de homens armados o tentou assassinar. Disse ainda que esteve debaixo de fogo durante cinco horas. Confirma que houve mortos e feridos, mas, entre as vítimas, não está qualquer governante.

20:56 CET: Em breves declarações por telefone à agência AFP, Sissoco garantiu que "está tudo bem" e a situação está "sob controlo".

20:31 CET: Coordenador do Fórum da Sociedade Civil, Guerry Gomes Lopes, lamenta a violência de hoje em Bissau: "Houve mortos. É uma situação lamentável. Sucessivamente, o país tem vivido uma situação de crises político-militares. Com as eleições, pensávamos que já tínhamos saído desta situação, mas infelizmente vemo-nos confrontados com esta situação nebulosa."

20:16 CET: O chefe da diplomacia portuguesa, Augusto Santos Silva, diz que as últimas informações que recebeu de Bissau são "positivas", uma vez que o Presidente da República guineense já está na sua residência oficial. "Mas ainda não sabemos se o ataque terminou", afirmou Santos Silva em declarações à RTP.

19:40 CET: O Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, já está no Palácio da República e fará uma comunicação ao país às 19h00 de Bissau.

19:14 CET: União Africana condena "tentativa de golpe" na Guiné-Bissau. Em comunicado, a organização diz que o presidente da comissão da UA, Moussa Faki Mahamat, "está a acompanhar com bastante preocupação a situação na Guiné-Bissau, que consiste numa tentativa de golpe contra o Governo do país. Ele pede aos militares que regressem aos quartéis sem demoras para garantir a segurança física do Presidente Umaro Sissoco Embaló e dos membros do seu Governo, e para libertar imediatamente todos os que estão detidos."

Primeiras imagens da tentativa de golpe de Estado na Guiné-Bissau

18:55 CET: Membros do Governo libertados do palácio ocupado por homens armados, Presidente da República e primeiro-ministro em parte incerta. Segundo uma fonte governamental, citada pela Lusa, "cerca das 17:20 [hora local], os militares chegaram ao Palácio do Governo e disseram aos membros do Governo para saírem". O local ficou apenas com homens armados, acrescentou a fonte, indicando desconhecer o paradeiro do primeiro-ministro, Nuno Gomes Nabiam, e do Presidente, Umaro Sissoco Embaló. 

18:26 CET: Fonte do Hospital Simão Mendes refere à Lusa que, pelo menos, quatro pessoas ficaram feridas na sequência da violência em Bissau.

18:24 CET: O chefe da diplomacia portuguesa, Augusto Santos Silva, condena as "movimentações armadas" que decorrem em Bissau: "Há movimentações armadas em Bissau que se dirigem contra as autoridades legítimas da Guiné-Bissau, o Presidente e o Governo, e Portugal condena qualquer tentativa de, pela violência, impedir o normal funcionamento dos órgãos de soberania da Guiné-Bissau, nos termos da Constituição", disse Santos Silva em entrevista à agência Lusa. 

Guinea-Bissau Bissau | Unruhen, Armee bildet Kreis um Parlament

Exército delimitou perímetro de segurança em torno do Palácio do Governo. Cidadãos estavam impedidos de entrar

17:59 CET: "Estamos retidos dentro de um pequeno gabinete no interior do Palácio do Governo desde a hora do almoço. Somos mais de dez pessoas amontoadas. Militares obrigaram-nos a desligar os telemóveis. Continuamos a ouvir tiros e gritos de pessoas atingidas. Há pânico total. Não sabemos o que está a acontecer, nem como vamos sair daqui. Estou com medo", relatou há instantes à DW uma testemunha retida perto do gabinete do primeiro-ministro.

17:52 CET: Embaixada de Portugal em Bissau pede aos portugueses que fiquem em casa. Em comunicado, a embaixada alerta que, "em virtude dos recentes acontecimentos", os cidadãos portugueses não devem sair à rua. Recomenda também que "aguardem novas informações".

17:48 CET: Emissora pública noticia que o tiroteio danificou o Palácio do Governo e que os "invasores" retiveram governantes.

17:43 CET: Em comunicado, António Guterres apela ao "total respeito pelas instituições democráticas" da Guiné-Bissau.

17:37 CET: Secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, está "profundamente preocupado" com a situação na Guiné-Bissau e pede o fim da violência.

Symbolbild | ECOWAS | Westafrikanischer Regionalblock verabschiedet neuen Plan zur Einführung einer einheitlichen Währung im Jahr 2027

Em comunicado, CEDEAO condena "tentativa de golpe de Estado" na Guiné-Bissau

17:26 CET: Comunicado da CEDEAO: "A CEDEAO acompanha com grande preocupação a evolução da situação na Guiné-Bissau, caraterizada esta terça-feira, 1 de fevereiro de 2022, pelos tiros de militares ao redor do Palácio do Governo. A CEDEAO condena esta tentativa de golpe de Estado e considera os militares como responsáveis pela integridade física do Presidente Umaro Sissoco Embaló e dos membros do seu Governo. A CEDEAO apela aos militares que regressem aos seus quartéis e mantenham uma postura republicana."

17:23 CET: Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) condena "tentativa de golpe de Estado" e responsabiliza militares pela integridade física do Presidente da República e membros do Governo de Nuno Gomes Nabiam.

16:59 CET: Nas redes sociais correm relatos de vários mortos e feridos.

16:29 CET: A agência AFP adianta que foram avistadas pessoas a fugir da área do palácio, os mercados locais foram encerrados e os bancos fecharam portas, enquanto circulavam nas ruas veículos militares carregados de tropas.

16:03 CET: Os incidentes têm lugar dias depois de uma remodelação do Executivo, decidida pelo Presidente da República, Umaro Sissoco Embaló, que foi contestada inicialmente pelo partido liderado pelo primeiro-ministro, Nuno Gomes Nabiam. Posteriormente, o líder do Governo disse que concordava com a medida.

15:59 CET: Testemunhas contactadas pela Lusa relatam que, perto do Palácio da Justiça, está uma brigada de intervenção e vários militares e elementos das forças de segurança. 

15:45 CET: Fontes da Presidência guineense confirmam que o chefe de Estado e o primeiro-ministro estão no interior do edifício, cercado por militares. 

15:31 CET: Tiros no Palácio do Governo da Guiné-Bissau. Há relatos de tiroteios no palácio onde decorria a reunião do Conselho de Ministros.

Do pós-eleições ao avião "suspeito": Guiné-Bissau de crise em crise

Leia mais