Separatistas de Cabinda reivindicam morte de 19 soldados angolanos | NOTÍCIAS | DW | 10.08.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Separatistas de Cabinda reivindicam morte de 19 soldados angolanos

As Forças Armadas de Cabinda (FLEC-FAC) anunciam que 19 combatentes das Forças Armadas Angolanas (FAA) foram mortos em confronto com a guerrilha cabindesa, que perdeu também um homem.

Angola Polizeipatrouille in Cabinda

Foto de arquivo.

O comunicado assinado pelo Comandante das Forças Armadas de Cabinda (FAC) refere que uma viatura militar das FAA foi atacada, na noite de terça-feira para quarta-feira, por combatentes cabindenses na estrada que liga as vilas de Buco-Zau e Dinge, fazendo 12 mortos e vários feridos do lado das forças angolanas.

Esta manhã, na picada que conduz à aldeia de Chimbanza, região  de Necuto, sete soldados das FAA que patrulhavam a zona foram mortos num confronto em que as FAC perderam também um combatente.

DR Kongo Cabassango-Platz, Cabinda

A província de Cabinda (Foto de arquivo).

Últimas mortes na região

A última notícia que dava conta de mortes na região data de junho, quando a organização independentista do enclave angolano de Cabinda comunicou a morte de dois civis num ataque das FAA a uma posição das FAC.

A FLEC mantém há vários anos uma luta pela independência do território, de onde provém grande parte do petróleo angolano. O movimento considera que o enclave era um protetorado português, tal como ficou estabelecido no Tratado de Simulambuco, assinado em 1885, e não parte integrante do território angolano.

Governo angolano não confirma a existência de mortes entre o seu exército no território., que considera nacional.

Cabinda: "Medo, isso é coisa do passado!"